João Pessoa 27/05/2018 15:41Hs

Início » Chamadaum » Sarney confirma sessão do Congresso para examinar veto dos royalties nesta terça

Sarney confirma sessão do Congresso para examinar veto dos royalties nesta terça

Presidência do SenadoA sessão conjunta do Congresso destinada a votar o veto parcial da presidente Dilma Rousseff à Lei dos Royalties (Lei 12.734/12) será realizada nesta terça-feira (18), às 19h, conforme informou nesta segunda-feira (17) o presidente do Senado, José Sarney. A lei redistribui os recursos dos royalties do petróleo, ampliando a fatia que cabe aos estados e municípios não produtores.

Parlamentares dos estados não produtores, que perdem recursos com o veto, protocolaram na quarta-feira no Supremo Tribunal Federal (STF) mandados de segurança com pedido de liminar para suspender a apreciação do veto e para que seja anulada a sessão do Congresso em que foi aprovada a urgência para o tema.

Os representantes das bancadas do Rio de Janeiro e do Espírito Santo argumentam que o veto parcial ao texto do PLS 448/2011, que deu origem à Lei 12.734, só pode ser apreciado depois que todos os vetos anteriores forem votados. São mais de 3 mil vetos presidenciais totais ou parciais esperando exame do Parlamento.

– Espero que consigamos uma liminar que impeça a realização da sessão de amanhã. Se não conseguirmos, se derrubarem o veto, vamos entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade – disse o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), em entrevista à Rádio Senado.

O senador Magno Malta (PR-ES) avalia que, com a derrubada do veto, o o único caminho para evitar a quebra dos contratos vigentes é a judicialização do assunto, o que, em sua avaliação, é ruim para todo o país.

– Quem é que vai disputar licitação em um país que quebra contrato, não respeita contrato? – indagou.

Orçamento

Para o líder do governo no Senado, senador Eduardo Braga (PMDB-AM), a apreciação do veto à Lei dos Royalties não influenciará na votação da proposta orçamentária de 2013, que deve ser aprovada por senadores e deputados antes do recesso parlamentar.

– Claro que pode haver um clima tenso entre as bancadas dos estados produtores e não produtores, mas isso não vai afetar o Orçamento, até porque o governo tem adotado uma postura muito coerente e muito transparente em relação a essa matéria – disse o parlamentar.

A opinião é a mesma do relator-geral do Orçamento, senador Romero Jucá (PMDB-RR), que prevê a aprovação da proposta orçamentária pela CMO na terça-feira e pelo Plenário do Congresso na quarta.

– Precisamos começar o ano com o orçamento aprovado para que a atividade econômica possa ser fortalecida. Entendo que independentemente da disputa de royalties a questão do Orçamento une o Brasil, beneficia todos os estados e municípios e, portanto, não deve ser prejudicada por qualquer debate político – disse.

Agência Senado