João Pessoa 20/11/2018

Início » Brasil » ‘Propostas de alguns candidatos podem levar o país ao passado’, diz Meirelles

‘Propostas de alguns candidatos podem levar o país ao passado’, diz Meirelles

‘Brasileiros estão preocupados’, afirmou - Defendeu a retomada da confiança

Henrique Meirelles (MDB) participou de sabatina organizada pelo BTG Pactual

Sem citar nomes, o candidato a presidente Henrique Meirelles (MDB) disse nesta 4ª feira (8.ago.2018) que propostas de alguns candidatos ao Planalto podem levar o país ao passado.

O emedebista disse que a expectativa de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) caiu em 2018 em função da preocupação dos brasileiros com os candidatos.

“Entramos no ano de 2018 crescendo acima de 2%, no ritmo, e caminhando para 3%. Voltou a cair esse ano em função da preocupação de todos, investidores, consumidores e empresários, com as propostas de alguns candidatos, que podem levar não só ao passado, como podem levar a uma grande incerteza e uma imprevisibilidade que faz com as expectativas voltem a cair”, disse.

A declaração foi feita em sabatina com os candidatos ao Planalto promovida pelo BTG Pactual. A conversa foi conduzida pelo jornalista Reinaldo Azevedo. Outros 3 candidatos a presidente também participaram: Geraldo Alckmin (PSDB)Alvaro Dias (Podemos) e Ciro Gomes (PDT).

Meirelles disse que hoje o maior problema do Brasil é a crise fiscal, que, segundo ele, “é resultado de más decisões”, que fizeram elevar a taxa de juros no país.

Diante disso, o emedebista afirma que tanto o seu programa de governo, como sua campanha, serão voltados para a retomada da confiança de investidores, consumidores e empresários, em relação a quem vai governar o país e ao desenvolvimento da economia. O candidato aposta na divulgação do seu histórico.

Meirelles foi deputado federal, presidente internacional do BankBoston (1996-1999), presidente do Banco Central (2003-2010) no governo do ex-presidente Lula e ministro da Fazenda no governo do presidente Michel Temer (2016-2018).

CANDIDATO DO GOVERNO

Meirelles evitou falar se era ou não candidato do governo do presidente Michel Temer, uma vez que é filiado ao MDB, mas defendeu as reformas discutidas durante sua gestão no Ministério da Fazenda: a da Previdência e a trabalhista. Em outra sabatina, nesta 3ª feira (8.ago.2018), o candidato negou a ligação ao governo.

O emedebista disse que, partindo da ideia de que as pessoas precisam saber quem ele é e conhecer sua trajetória, o MDB o ajuda em sua intenção de se tornar presidente, considerando que o partido tem tempo em propaganda eleitoral considerável para disseminar suas ideias.

Segundo Meirelles, ele tem pesquisas qualitativas e quantitativas que apontam que sua “possibilidade de vencer é muito elevada”, principalmente quando as pessoas conhecem sua trajetória. Na pesquisa do DataPoder360, a 3 meses da eleição, o candidato pontuou 1% das intenções de voto.

Meirelles disse que o eleitor deve conhecer o candidato e imaginar os resultados positivos e negativos que ele pode trazer ao país.“Tem o candidato que você não sabe o que pode acontecer, mas cujo o histórico é ruim, e outro que você já sabe o que vai acontecer, porque fez parte da maior recessão do Brasil”, disse, criticando os adversários.

SEMELHANÇA COM ALCKMIN

Questionado sobre qual a diferença entre ele e Geraldo Alckmin (PSDB), Meirelles disse que não vê divergências e que teria o prazer de tê-lo como seu vice.

“Não vou falar mal, eu teria 1 grande prazer em formar uma chapa com o ex-governador. Ele [Alckmin] seria, com o devido respeito ao meu vice que é o Germano Rigotto, 1 excelente candidato a vice presidente também, não tenho a menor duvida. Mas parece que não é a opção do PSDB e dele”, disse.

DEFESA DA MERITOCRACIA

O candidato Henrique Meirelles defendeu a meritocracia para o desenvolvimento da educação, nos moldes da Coreia do Sul.

“Lá, 1º primeiro o professor é respeitado. O professor sobe na carreira baseado no desempenho dos estudantes. A cobrança em cima da meninada é dura. Temos que ter 1 pacto de confiança de que vamos investir em educação, mas ter confiança de que os professores vão cobrar das crianças”, afirmou.

Poder360