João Pessoa 24/05/2018 18:10Hs

Início » Destaque » 76% dos brasileiros têm dieta que ameaça a saúde do coração

76% dos brasileiros têm dieta que ameaça a saúde do coração

Brasileiros de todas as regiões do País, e de todas as classes sociais, negligenciam frutas e legumes da dieta e com isso colocam em risco a saúde cardíaca, revela pesquisa divulgada nesta terça-feira (9).

O estudo, feito pelo Ibope a pedido de uma indústria farmacêutica, ouviu 2.002 pessoas de todas as regiões e estratos econômicos.

Os dados apontam que, em geral, 76% dos estudados não comem a quantidade mínima de seis porções de alimentos in natura – preconizadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o que aumenta a carga nociva ao sistema cardiovascular.

A Sociedade Brasileira de Cardiologia elaborou um teste para avaliar o impacto da alimentação no sistema cardíaco. Responda as perguntas e descubra se você faz parte destes 76%.

“Estamos perdendo a capacidade de comer frutas e vegetais e isso indica que estamos priorizando outros produtos (como carnes, laticínios e industrializados)”, afirma o médico nutrólogo, professor da Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto, José Ernesto dos Santos.

A longo prazo, os resultados são mais infartos , acidentes vasculares cerebrais e aumento da taxa de colesterol inadequado e diabetes , as doenças que, não por coincidência, são as líderes de mortalidade no Brasil.

“O último garoto-propaganda que tivemos da alimentação saudável foi o Popeye, com a sua latinha de espinafre. De lá para cá, não há publicidade para enaltecer o tomate, a cenoura, o alface. Já os alimentos que fazem mal ao coração são amplamente divulgados”, completou Santos que estuda o impacto da dieta nas doenças cardiovasculares desde 1976.

Fumantes ainda pior

O mesmo levantamento indicou que 22% dos participantes da pesquisa são fumantes. Entre eles, a dieta inadequada é ainda mais presente e chega a 81% dos entrevistados, cinco pontos porcentuais a mais do que os não tabagistas. A explicação é de que a população já sabe quais são os hábitos de risco, mas ainda não conseguiu reverter a informação na prática.

Prova disso é que, apesar de sete em cada dez entrevistados não ter alimentação adequada, 87% dizem que se preocupam com o coração e estão dispostos a alterar a alimentação.

“É muito mais fácil mudar o conhecimento do que o comportamento. É nesta janela entre teoria e prática que nós precisamos atuar”, complementa o professor da USP.

“Óbvio que o fumante que tem uma dieta saudável corre menos risco do que aquele que fuma e ainda se alimenta mal. Quando há uma aglutinação de fatores nocivos, o coração é transformado em uma bomba-relógio.”

Em declínio

A saúde cardíaca do brasileiro está em declínio, mostram dados do Ministério da Saúde. Há um aumento gradual de obesidade e a ciência mostra que as células gordurosas são os principais gatilhos de infarto.

Entre 2006 e 2011, 11 milhões de brasileiros entraram para as estatísticas de obesos mórbidos. Até os mais jovens ganharam peso e isso fez crescer em 9% os casos de infarto entre os menores de 50 anos, idade considerada precoce.

Se os números da balança evidenciam a negligência com o peso, os índices que medem o colesterol não são sequer conhecido pelos brasileiros, mostra o mesmo estudo. Apesar desta informação também ser um marcador importante da saúde cardíaca, 73% dos entrevistados desconhecem os próprios índices.

Priorizar a alimentação rica em frutas e verduras também melhora os índices de colesterol. Veja os alimentos que ajudam a diminuir as taxas nocivas do colesterol e, de quebra protegem o coração:

IG