João Pessoa 20/06/2018 07:26Hs

Início » Paraíba » Leituristas denunciam más condições de trabalho em reunião na manhã desta terça-feira. Caso a situação não se resolve, haverá uma paralisação

Leituristas denunciam más condições de trabalho em reunião na manhã desta terça-feira. Caso a situação não se resolve, haverá uma paralisação

Leituristas sem o fardamento adequadoSetenta leituristas da Companhia de Água e Esgoto da Paraíba (CAGEPA) em Campina Grande denunciaram, na manhã desta terça-feira (11), ao Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba (STIUPB) e a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), às más condições de trabalho enfrentadas pela categoria. Na reunião, que foi realizada no R2 da empresa, no Centro de Campina Grande, os trabalhadores afirmaram que estão laborando com coletores de leitura e impressoras totalmente sucateadas e que a CAGEPA ainda não fez o repasse dos fardamentos, o que tem forçado os leituristas a comprarem suas fardas, descumprindo assim o que determina o Acordo Coletivo de Trabalho.

Após o término da reunião, o STIUPB se comprometeu a encaminhar um ofício à direção da CAGEPA cobrando o repasse do fardamento e de novos coletores de leitura e impressoras aos leituristas. “Vamos dar um prazo de 15 dias para a direção responder o ofício, caso isso não ocorra, iremos realizar uma paralisação de advertência. Porque, segundo informações, a entrega desses equipamentos só ocorreu até o momento em João Pessoa e em Guarabira. Nas outras regionais, os trabalhadores estão fazendo a leitura com equipamentos sucateados, por exemplo, com os visores e teclados quebrados, o que acaba dificultando o trabalho, sem falar que os trabalhadores ficam tentando consertar a impressora colocando ligas ou papéis para ajustar o equipamento, tudo isso para conseguirem trabalhar, é bom lembrar que esses equipamentos são locados e já deveriam ter sido trocados há bastante tempo”, afirmou o presidente do STIUPB, Wilton Maia.  O representante dos leituristas na CIPA também notificará a gerente regional da CAGEPA, Alexandrina Formiga, sobre as más condições de trabalho dos leituristas.

 

A direção do STIUPB encaminhará um ofício ao Ministério Público da Paraíba (MPPB), para que o órgão investigue o contrato firmado entre a CAGEPA e a Procenge Tecnologia , empresa que fornece os coletores de leitura e as impressoras a CAGEPA. Outro ofício também será encaminhado ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), para que o órgão faça uma fiscalização na empresa, haja vista que o Acordo Coletivo está sendo descumprido. “Além desses problemas em relação aos equipamentos e fardamentos, queremos que o Ministério do Trabalho, fiscalize a questão da ergonomia, porque os leituristas realizam até 400 leituras por dia, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS), recomenda no máximo 250 leituras”, concluiu Wilton Maia.

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba (Stiupb) 

Assessoria de imprensa — Felipe Macêdo