João Pessoa 26/04/2018 13:28Hs

Início » Variedades » Leia o que disseram os pré-candidatos à Presidência no Fórum da Liberdade

Leia o que disseram os pré-candidatos à Presidência no Fórum da Liberdade

Ciro Gomes foi um dos pré-candidatos a participar do Fórum da Liberdade nesta 2ª feira 

Seis pré-candidatos à Presidência da República participaram nesta 2ª feira (9.abr.2018) do Fórum da Liberdade e apresentaram suas perspectivas para o país nos próximos anos.

O fórum foi organizado pelo Instituto de Estudos Econômicos, em Porto Alegre (RS). Foi o 1º evento a reunir diversos pré-candidatos para comentar os mesmos tópicos. Participaram Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB), João Amôedo (Novo), Henrique Meirelles (MDB) e Flávio Rocha (PRB). Jair Bolsonaro foi convidado, mas não compareceu.

O evento continua nesta 3ª feira (10.abr). Um dos palestrantes do dia é o juiz Sérgio Moro. Leia a programação.

Assista à íntegra das entrevistas (a partir de 2h54min). Eis um resumo do que disseram os pré-candidatos nesta 2ª:

CIRO GOMES (PDT)

O pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, discorreu sobre os diversos aspectos da crise no país. Criticou o fato de o governo ser impotente em relação às taxas de homicídios e as questões da segurança pública.

Mencionou o desemprego como um problema central. Disse que é difícil tirar o país da crise quando metade dos trabalhadores estão em empregos informais.

O pedetista disse que o 1º ano do próximo presidente será implodido com a crise fiscal brasileira e que o Brasil precisa retomar o processo de industrialização. Criticou a proposta do governo Temer para a reforma da Previdência, que afirma ser um ‘puxadinho’, incapaz de reverter o deficit nos próximos 10 anos.

Ao finalizar o discurso, Gomes disse que tem “convicção de que se o Brasil tiver um grande diálogo, vira esse jogo“.

MARINA SILVA (REDE)

Em sua apresentação, a pré-candidata da Rede defendeu o fim do foro privilegiado e a punição após condenação em 2ª Instância.

Marina disse que o fim do foro privilegiado é necessário para atingir políticos como os senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Aécio Neves (PSDB-MG), além do presidente Michel Temer, que também respondem a processos da Lava Jato. “Ainda temos mais de 200 deputados que estão escondidos atrás do foro privilegiado”, disse.

Ao tratar de propostas na economia, Marina enunciou seus principais colaboradores na área. Citou os economistas Eduardo Giannetti  e André Lara Resende.

Marina falou que sobre o futuro, seu maior problema não será governar, mas ganhar as eleições. A ex-ministra citou o fato da Rede ter direito a apenas 10 segundos de TV e receber poucos recursos do fundo partidário.

GERALDO ALCKMIN (PSDB)

Já fora do governo de São Paulo, o pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, fez 1 discurso em defesa de uma “agenda de reformas e de crescimento sustentável”.

A 1ª delas será a reforma política. Alguma coisa está errada. É evidente que o sistema está exaurido“, disse. Alckmin criticou o fato de o Brasil ter 35 partidos políticos. “Nós temos 35 ideologias? Não temos“, disse. Nessa seara, falou em favor dos sistemas com voto distrital ou distrital misto.

Simplificação estrutural no sistema tributário e alteração das regras da Previdência são as outras reformas defendidas pelo pré-candidato.

Além da agenda de reformas, outra prática para alcançar o crescimento econômico seria um processo de desestatização. Segundo o tucano, não faz sentido o governo federal ter 148 estatais.

JOÃO AMOÊDO (NOVO)

O pré-candidato João Amoêdo (Novo) disse que sua intenção é trabalhar para se ter um país livre de impunidade e do peso do Estado. Defendeu que o Estado seja pequeno e o mercado, livre. Fez duras críticas aos gastos com o Congresso e à falta de solução para as altas taxas de homicídio.

Sobre seu partido, o Novo, ressaltou que todos os filiados são ficha limpa, a realização de processo seletivo para os candidatos, e a decisão de não usar recursos dos fundos partidário e eleitoral. Afirmou que é pouco provável que o partido faça alguma coligação e que, se fizer, será com partidos que tenham programas parecidos.

Disse que o programa Bolsa Família é muito importante, porém, “é preciso ter uma porta de saída e comemorar que as pessoas saem e não quando as pessoas entram“.

HENRIQUE MEIRELLES (MDB)

O ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que primeiramente é preciso gerar emprego para assim se ter renda. Depois, facilitar para que se empreenda mais no país, tirando as diversas dificuldades pelas quais os empreendedores passam. Por último, defendeu que é importante continuar financiando programas como Bolsa Família e programas que capacitem as pessoas para se ter melhores profissionais.

Ao finalizar seu discurso, o pré-candidato disse que o Brasil precisa de gestores que modifiquem as situações atuais do país para melhor: “Está na hora de mostrar resultado, história concreta de realização“.

FLÁVIO ROCHA (PRB)

O pré-candidato do PRB, Flávio Rocha, diz que defende o livre mercado e a menor participação do Estado. “Eu sou 1 liberal convicto, acredito que não existe outro caminho para a prosperidade, para a inclusão, para as conquistas sociais, se não libertamos a economia. As economias prósperas são as economias livres e o Brasil vem trilhando um rumo oposto.

Rocha também defendeu a flexibilização do Estatuto do Desarmamento: “Eu acredito que deve existir nem a proibição absoluta e nem a liberação absoluta ideologizada como nos EUA. Vamos buscar um meio termo, para que o povo brasileiro, o homem de bem, não fique totalmente refém da bandidagem, que se arma crescentemente perante a inoperância do poder público.