João Pessoa 22/06/2018 05:35Hs

Início » Variedades » Levantamento de ONG registra 845 mortes no trânsito em 2011 na PB

Levantamento de ONG registra 845 mortes no trânsito em 2011 na PB

 

Em 2011, 845 pessoas morreram em acidentes de trânsito na Paraíba, de acordo com a ONG “Educar para o trânsito, educar para a vida”. Pelos dados, é como se oito aviões tivessem caído no estado durante o ano passado.

Já no comparativo dos acidentes registrados de janeiro a outubro de 2011 com o mesmo período deste ano, a Polícia Rodoviária Federal constatou um aumento de 34% de mortes em rodovias, ruas e avenidas nas cidades. “É fácil confrontar números, é fácil pesquisar números de acidentes de trânsito. O difícil é conformar famílias. Não podemos nos conformar com tanto sangue derramado nas nossas estradas”, disse Luiz Carlos André, presidente da ONG.

Um desses casos é o da defensora pública-geral Fátima Lopes em 2010. O acusado de causar o acidente deve ser julgado na quarta-feira (31). De acordo com a denúncia do Ministério Público, Eduardo Paredes teria ultrapassado o sinal vermelho, dirigia em alta velocidade e sob efeito de bebida alcoólica.

Acusado de matar defensora é indiciado por outro crime de trânsito na Paraíba (Foto: Walter Paparazzo/G1)Eduardo Paredes deve ir à júri na quarta-feira (31)
no 2º Tribunal do Júri (Foto: Walter Paparazzo/G1)

O acidente aconteceu na manhã do dia 24 de janeiro de 2010 quando Fátima Lopes e o marido seguiam em um carro para a missa em João Pessoa. Um outro veículo ultrapassou o sinal vermelho na Avenida Epitácio Pessoa e bateu na lateral do carro que estava o casal. Devido a violência da colisão, Fátima Lopes morreu e seu marido, Carlos Marinho de Vasconcelos Correia Lima, ficou gravemente ferido.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, Eduardo Paredes, que na época tinha 33 anos, é acusado de cometer homicídio doloso, quando há intenção de matar. Ele teria ultrapassado o sinal vermelho, dirigido em alta velocidade e sob efeito de bebida alcoólica, assumindo o risco de uma morte. O réu chegou a ser detido no Centro de Ensino da Polícia Militar, mas a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça concedeu o habeas corpus em março de 2010. Na quarta-feira ele deve ir à júri popular no 2º Tribunal do Júri da capital.

Dois homens em uma motocicleta bateram na traseira de um ônibus na rua Bancário Sérgio Guerra, uma das principais ruas do bairro Bancários, em João Pessoa. O acidente aconteceu na manhã desta segunda-feira (29) e os dois ocupantes da moto se feriram.  (Foto: Walter Paparazzo/G1)Na segunda (29) dois homens se feriram em um
acidente nos Bancários(Foto: Walter Paparazzo/G1)

Atendimento
No dia 23 deste mês o Hospital de Emergência e Trauma em João Pessoa divulgou um balanço dos atendimentos na unidade hospitalar e constatou de 63,64% das ocorrências registradas naquela semana tinham relação com acidentes de trânsito.

De acordo com os dados de atendimento entre 14 e 20 de outubro, foram atendidas 187 pessoas feridas em acidentes automobilísticos, sendo os acidentes com motocicleta os responsáveis pela maioria deles, com 132 ocorrências, ou 45,2% do total.

O diretor técnico da unidade hospitalar, Edvan Benevides, informou que mesmo com a fiscalização dos órgãos de trânsito e com campanhas educativas, a imprudência de muitos condutores de motocicletas acaba por aumentar os índices de acidentes. Ele disse ainda que a imprudência aumenta a gravidade dos acidentes, causando traumatismo craniano e de coluna, o que pode levar a paraplegia ou tetraplegia, além da amputação de membros. “Observamos que a maioria destes acidentados é de jovens de até 25 anos, o que compromete o futuro destas pessoas”.

De acordo com a ONG “Educar para o trânsito, educara para a vida”, os acidentes são responsáveis por mais de 800 mortes na Paraíba e a maioria dos casos foi provocada pela irresponsabilidade no trânsito. A pesquisa, que analisou dados do Batalhão de Trânsito, do Departamento Nacional de Trânsito e do seguro DPVAT, constatou que no Brasil 43 mil pessoas morrem por ano vítimas da violência no trânsito e outras 500 mil ficam feridas. “A educação é um caminho para um trânsito seguro e humano”, disse Luiz Carlos André, presidente da ONG “Educar para o trânsito, educar para a vida”.