João Pessoa 22/07/2018 20:33Hs

Início » Variedades » Rússia teria enviado à Síria navio de guerra com material bélico a bordo (FOTOS)

Rússia teria enviado à Síria navio de guerra com material bélico a bordo (FOTOS)

Em meio às tensões em torno da Síria, a Rússia teria aumentado o fornecimento de armas e bens humanitários ao país devastado pela guerra.

Navio de desembarque de doca russo Orsk teria saído ao mar Mediterrâneo, reportaram sites turcos, postando fotos do navio passando através do estreito de Bósforo.

O observador naval turco Yoruk Isik postou imagens do navio de guerra russo no domingo (15), opinando que a Rússia teria decidido aumentar sua presença militar na Síria.

De acordo com a postagem de Isik, o Orsk que faz parte da Frota do Mar Negro russa, está se dirigindo ao porto de Tartus, na Síria, onde fica uma base de reabastecimento da Marinha russa.

Nas fotos, publicadas pelo turco, podem ser vistos veículos blindados de transporte de pessoal BTR-80, um veículo de combate Tigr, caminhões Kamaz e um caminhão de transporte de combustível Ural.

O Ministério da Defesa da Rússia ainda não comentou as informações.

Quebra-gelo diesel-elétrico russo Ilya Muromets em São Petersburgo, Rússia

Esta pode ser já a quarta missão do Orsk à Síria neste ano. Anteriormente no mar Mediterrâneo entraram, através dos estreitos do mar Negro, os navios de desembarque de doca Minsk (5 de abril) e Nikolai Filchenkov (13 de abril).Segundo os relatos da mídia estrangeira, navios de desembarque de doca e embarcações de assistência russos participam da operação chamada “Expresso Sírio”, levando cargas para o grupo de aviação russo na base aérea de Hmeymim, para a base naval em Tartus e para as tropas governamentais sírias.

No sábado passado (14), EUA, França e Reino Unido lançaram ataques aéreos contra a Síria em resposta ao alegado uso de armas químicas nos arredores de Damasco, em Douma. Os aliados dispararam mais de 100 mísseis, mas a maioria foi interceptada pelos sistemas sírios de defesa antiaérea. As forças russas não participaram da intercepção, mas monitoraram todos os lançamentos.

Sputnik