Dois crimes em 15 min: PM persegue ladrões por 1h40, mas eles fogem - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Dois crimes em 15 min: PM persegue ladrões por 1h40, mas eles fogem

policia helicópteroPerseguição aconteceu entre os bairros Jardim Colorado e Rio Marinho e envolveu 16 viaturas de dois batalhões da PM

Uma perseguição cinematográfica – com direito a 16 viaturas policiais e até helicóptero – mobilizou policiais de Vila Velha e Cariacica, na tarde de ontem. Mas todo o aparato policial não foi suficiente para prender os dois suspeitos de assalto. Os rapazes, que roubaram dois carros, conseguiram escapar do cerco.
Em menos de 15 minutos, os dois criminosos – um deles armado – roubaram dois veículos, em Jardim Colorado, Vila Velha.
A primeira vítima foi um aposentado de 63 anos. Por volta das 15 horas, ele foi visitar uma amiga que havia passado por uma cirurgia. Quando o motorista desceu do carro, um Corolla preto, os dois assaltantes o renderam e pediram as chaves do veículo. Mas, como o Corolla tinha um sistema que corta o combustível do carro quando ele é roubado, o veículo parou pouco depois de ser levado pelos bandidos.Nesse momento, os dois suspeitos fizeram mais uma vítima no caminho. Um corretor de seguros de 47 anos, viu o carro parado e tentou ajudar. Só que os assaltantes o abordaram e levaram dele o Citroen C4 Pallas prata e um cordão de ouro.Policiais que faziam patrulhamento viram o Citroen próximo à praça de Cobilândia e começaram a perseguição. Em Rio Marinho, Vila Velha, os dois criminosos abandonaram o carro e fugiram a pé.Três suspeitos foram detidos, mas acabaram liberados. Os dois carros foram recuperados. A perseguição durou cerca de 1h40. A ação da polícia envolveu 16 viaturas dos 4º e 7º Batalhões da Polícia Militar, além de apoio aéreo.
Sufoco
O corretor de seguros também rendido pela dupla pensou que fosse morrer: “Eles disseram assim: ‘Não reage, não’. Eu achei que iria morrer. Estou pensando se vou trabalhar como antes, porque estou cismado com tudo. Antes não tinha medo de nada. No meu trabalho, entrava em qualquer lugar”, afirmou.
Publicidade