João Pessoa 14/12/2018

Início » Variedades » 79% dos fumantes do Nordeste trocariam o cigarro por produtos de menor risco à saúde

79% dos fumantes do Nordeste trocariam o cigarro por produtos de menor risco à saúde

De acordo com o Ministério da Saúde[1], existem mais de 20 milhões de adultos fumantes no Brasil. Em uma recente pesquisa, encomendada pela Philip Morris Brasil ao Instituto Datafolha, os dados revelam que mais de 16 milhões de brasileiros, que correspondem a 82% dos fumantes, trocariam o cigarro por uma opção menos prejudicial à saúde.

Ainda segundo o estudo, até mesmo 78% dos não fumantes, ao serem informados sobre produtos de risco reduzido, tendência que vem ganhando repercussão mundial, indicariam a substituição do cigarro por uma opção potencialmente menos prejudicial a amigos e familiares fumantes.

“É indiscutível que a maioria dos fumantes tem plena consciência dos danos causados pelo hábito de fumar cigarros. Contudo, muitos ainda continuarão fumando e sabem que sofrerão sérias consequências à sua saúde. A pergunta que se faz é, existindo soluções que tem o potencial de reduzir os danos à saúde, por que elas não estão hoje disponíveis aos adultos fumantes brasileiros?”, argumenta Fernando Vieira, Diretor de Assuntos Corporativos da Philip Morris Brasil.

 Os dados mostram que 79% dos brasileiros são favoráveis à ideia de que o governo deveria permitir que os fumantes tenham acesso a produtos de risco reduzido. A regulamentação segue em discussão há quase dois anos e meio na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), mas ainda sem avanços significativos.

O levantamento foi realizado em julho de 2018 com pessoas com idade a partir dos 18 anos, pertencentes a diversas classes econômicas, em todas as regiões do país. Dos entrevistados, cerca de um quinto da população brasileira adulta declara fumar cigarros, sendo que 16% dizem fumar até um maço por dia.

GRANDES NÚMEROS DA PESQUISA

image.png

Sobre a Philip Morris International

A Philip Morris International (PMI) é uma das maiores companhias internacionais de tabaco fabricando e comercializando cigarros e outros produtos que contenham nicotina em mercados fora dos EUA. Estamos baseando nosso futuro em produtos livres de fumaça, que são uma alternativa muito melhor aos cigarros tradicionais. A nossa meta, através de nossas capacidades multidisciplinares em desenvolvimento de produtos, instalações de última geração e comprovação científica, é de assegurar que nossos produtos livres de fumaça atendam às preferências do consumidor adulto e os regulamentos mais rigorosos. Queremos ver esses produtos substituindo cigarros, para o benefício dos adultos fumantes, da sociedade, de nossa companhia e nossos acionistas.

A PMI investiu mais de US$ 4,7 bilhões em 15 anos no desenvolvimento, avaliação científica e criação de produtos inovadores que não produzem fumaça e oferecem aos fumantes, que de outra maneira continuariam fumando, uma opção melhor que o cigarro convencional. Elementos das pesquisas realizadas pela PMI encontram cada vez mais apoio de pesquisas independentes, com mais de 25 análises já publicadas por entidades de governo e centros de pesquisa independentes. A nossa ambição é de migrar aproximadamente 40 milhões de pessoas que fumam cigarros para nossos produtos livres de fumaça, representando 30% de nosso volume, até 2025.

No Brasil, a companhia atua desde 1973 e conta com três mil colaboradores. Para saber mais, visite nosso site: www.pmi.com/markets/brazil/pt/science-and-innovation

[1] Dados do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2017)

Por Ticiana Machado Dias