“A gestão Panta não fez Nada”: Diz servidor em assembleia itinerante mostrando o caos a população de Santa Rita

Com os desmandos da gestão do tucano prefeito Panta e o caos exercido na prefeitura de Santa Rita-PB, que 96,4% dos recursos do orçamento ficou comprometido sem investimentos segundo TCE-PB, e sem ousadia administrativa que só faz perseguir servidor, reduzir salários, além do congelamento de benefícios e sem conceder nenhum reajuste de piso federal e do magistério e a todas as categorias, para tanto, os servidores públicos do municípios realizaram a segunda assembleia itinerante no alto da popular que o movimento ganha força e apoio da população que se sente enganada pela gestão  com as promessas mirabolante e que foram induzidos ao erro e que a mobilização tem repercutido nas ruas e  segue pelos bairros em especial na porta dos prédios e órgãos públicos de Santa Rita.

“O aceno da população, o sorriso estampado no rosto e o sentimento de que foi engando pela gestão Panta em Santa Rita, mostra que o movimento da assembleia itinerante ganha força e prestígio da população como forma de reivindicar seus direitos levar a verdade das informações que não houve nenhum tipo de investimento por parte da gestão no prédios públicos de Santa Rita, que vivem abandonados e nenhuma política de investimentos nos salários dos servidores e nem tão pouco na melhoria nas condições de trabalho e investimentos nos prédios públicos e nos PSF’s reinaugurados foram reformados pela gestão anterior Netinho, a mobilização segue pelos bairros panfletando, carro de som mostrando a situação do município de que nada se foi realizado e as assembleias itinerantes vão denunciar o descaso da gestão incompetente e obsoleta por todos os bairros até chegar na zona rural”, afirmou a sindicalista Lêda.

Na escola Índio Piragibe onde iniciou-se a mobilização foi detectado pelos servidores que às 09 horas 80% da população estudantil começou a esvaziar a escola  que segundo próprios servidores da escola devido a falta de merenda escolar e que nenhum tipo de reforma a referida escola foi realizada e nem o cal foi melado como tem feito a gestão afora de quem chega na frente da escola percebe logo o descaso além do corte de gratificação dos secretários escolar e benefícios em geral, denunciaram os servidores em assembleia itinerante.

Próximo sessenta (60) metros da escola a Unidade Célia Virgínia visivelmente murro necessitando de reformas, lixo, e o mato comendo, e o esgoto a céu aberto com águas servidas nas ruas, tudo isso próximo a uma escola e uma unidade de saúde, que segundo a população medicamento passa por muito longe da população e o que é pior ainda são a marcação de exames que esperam por  meses para sua realização e o prazo vence que é um Deus nos acuda e não se consegue realizar nada e o povo sofrendo, mais adiante ruas esburacadas e esgoto até chegar a rua Venâncio Neiva seguindo até a rua Pará.

Escola Antônio Ferreira Nunes servidores acenando negativamente que nada foi realizado em 10 meses de gestão, nem o cal melado nos muros e nas paredes da escola, mas a cobrança é enorme alem de retirar nossos direitos e cobrar deveres dos servidores que evitaram o contato com a caravana de servidores com medo da retaliação da gestão Panta, haja vista, que sem reajustes e benefícios cortados por um decreto do prefeito ainda querem que os servidores extrapolem a carga horária e que a tendencia é piorar ainda mais, revelaram os servidores da escola.

No roteiro ainda, na rua Pará após a parada na escola Antônio Ferreira Nunes na mesma a creche Nenzinha Ribeiro servidores acenam para a mobilização que nada foi investido naquela unidade a não ser cobrança que nem cal foi melado nos murros e que o mato faz medo com insetos peçonhentos devido as crianças serem picadas, denunciaram.

A escola Jaime Lacet é uma escola referência no município que os seus servidores estão desestimulados devido falta de investimentos que a escola iniciou um processo de transferência para outra unidade escolar devido os cortes que é uma parceria com a comunidade que nada se foi investida e que todos os benefícios, reajustes e cortes foram ceifados pelo prefeito que todos o corpo da escola insatisfeito tendem a relaxar sem ânimo devido a falta de recurso e de humanidade com todos que deram a vida pela qualidade do ensino e que a gestão só cobra sem conceder direitos adquiridos que foram cortados pelo prefeito Panta  por meio de decreto 32.

Logo em seguida ainda a praça da Bíblia abandonada sem investimentos a população acena indignada por falta de manutenção seguindo para a rua 22 Maio a praça da Vitória que nestes dias se tornará a praça da derrota que segundo os moradores devido o esquecimento da gestão por ser obra de Marcus Odilon que a gestão Panta por onde olhar vai se deparar com a história viva, chagando a unidade de saúde Flávio Maroja que foi maquiada com com cal que funciona precariamente e a população revoltada com a falta de investimentos para atender a população carente do bairro mais populoso da cidade.

Por fim, os servidores no roteiro seguiram para a rua severo Rodrigues aonde foi denunciada a buraqueira e o esgoto a céu aberto com águas servidas pelo asfalto afora seguindo para a rua Telemaco Santiago para finalizar na escola padre João Felix que visivelmente a rua e a escola tomado de mato, lixo e o muro da escola caído com abertura de facilidade dando acesso a bandidagem que a comunidade é tida como uma das violentas levando em risco a vida dos alunos e que toda comunidade pede para reconstrução do muro e que a gestão fez ouvido de mercador ou aconteça uma tragédia na escola que o culpado é o gestor, que os servidores afinados em discursos calorosos levando as informações da gestão maquiada e perseguidora que o prefeito Panta é o único prefeito do Brasil que não concede aumento em Lei e que congelou todo tipo de benefícios de servidores que por isso estão nas ruas cobrando o que é de direito.

Lamartine do Vale, do Paraíba Urgente