Á meia-noite levarei sua alma

Á meia-noite levarei sua alma

zé do caixãoAs longas unhas retorcidas de um homem baixo, vestido com cartola e capa pretas, compõem a figura de Zé do Caixão, que integra a galeria de personagens do cinema brasileiro – e também o imaginário nacional. O criador e intérprete dele é José Mojica Marins, diretor do filme À Meia-Noite Levarei Sua Alma, longa de 1964 que marcou a estreia do personagem e se tornou um clássico do terror mundial.

Para homenagear o cineasta de 79 anos, o MIS (Museu da Imagem e do Som) sedia, a partir deste sábado, 31 de outubro, a mostra À Meia-Noite Levarei Sua Alma, composta por itens de que retratam diferentes épocas da vida do cineasta, como a película original de 16 mm do filme que empresta seu nome à exposição, curada e concebida por André Sturm. Espalhados por doze salas do museu, os objetos foram selecionados por Liz Marins, filha de Mojica, e Marcelo Colaiacovo, guardião e curador do acervo do diretor.

Até o dia 10 de janeiro e ao custo de 10 reais – entrada gratuita às terças –, os visitantes também poderão ver de perto as vestes de Zé do Caixão e os santinhos usados por ele na candidatura para deputado em 1982. No dia da abertura, o MIS realizará uma programação especial com 14 horas ininterruptas de bate-papos, palestras e até um concurso de fantasias de terror.

O museu fica aberto de terça a sábado, das 12h às 21h, e das 11h às 20h aos domingos e feriados. Já na sexta-feira 13, em novembro, o canal por assinatura Space irá transmitir Zé do Caixão, minissérie de seis episódios que retrata a produção de filmes de Mojica, interpretado por Matheus Nachtergaele.  Próximo da data de estreia do programa, a editora DarkSide irá relançar Maldito, biografia escrita por André Barcinski e Ivan Finotti, que contará com 666 páginas, 200 a mais que a primeira edição, de 1998.

Veja