Advogado burla o TCE e tribunal adia julgamento do escândalo da 'lagosta' - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Advogado burla o TCE e tribunal adia julgamento do escândalo da ‘lagosta’

advogado-burla-o-tce-e-tribunal-adia-julgamento-escandalo-da-lagosta.jpg.280x200_q85_cropCom base em uma informação inverídica do advogado Johnson Abrantes, o Tribunal de Contas adiou para a próxima semana o julgamento das contas de 2011 da Casa Civil do Estado. Johnson, que atua no processo, pediu adiamento sob a justificativa de que estaria indo a uma audiência em Pombal para representar a prefeita Pollyana Werton Dutra, numa ação de investigação judicial eleitoral. A reportagem do JP teve acesso com exclusividade ao termo de audiência que mostra a ausência do advogado.

De acordo com o documento, fornecido pela 31ª Zona Eleitoral, de Pombal, a prefeita foi representada pelo advogado Bruno Lopes de Araújo, que atua no escritório de Johnson Abrantes. Também estavam presentes a juíza eleitoral Juliana Dantas de Almeida Borges e o promotor eleitoral Leonardo Fernandes Furtado.

A informação de que Johnson Abrantes teria ido a Pombal para participar da audiência foi dada pelo conselheiro Umberto Porto, relator do processo da Casa Civil. “Este fato me leva a acatar como de praxe o pedido. Portanto, fica adiado para a próxima sessão o julgamento do processo”, afirmou.

O caso dos gastos da Casa Civil já teve seu julgamento adiado por várias vezes. A reportagem entrou em contato com o advogado Johnson Abrantes, mas ele não quis se manifestar. Por meio de mensagem enviada pelo celular ele fez o seguinte comentário: “Recebi recomendação superior para não comentar mais o julgamento. Somente após a decisão do TCE”.

Ao analisar a prestação de Contas da Casa Civil, sob a responsabilidade de Lúcio Flávio, a auditoria do TCE apontou diversas irregularidades, destacando-se a compra de 7,5 toneladas de carne, no período de seis dias (7 e 13 de dezembro). Também chamou a atenção da auditoria a aquisição de artigos de cama, banho, bebê e decoração para a esposa do governador, no valor de R$ 18.575,73, sem o devido procedimento licitatório.

manobra

manobra1