Aécio critica gastança de Dilma no exterior: “é uma ofensa aos brasileiros” - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Aécio critica gastança de Dilma no exterior: “é uma ofensa aos brasileiros” –

AERCIO CRITICAO senador e pré-candidato ao Palácio do Planalto Aécio Neves (PSDB-MG) condenou os gastos feitos pela presidente Dilma Rousseff em Portugal na volta do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. A caminho de Cuba, a comitiva da presidente parou em Lisboa, onde ocupou 45 quartos em dois dos mais caros hotéis da cidade: o Ritz e o Tívoli. A estadia, que não fazia parte da agenda oficial, custou R$ 71 mil. Somente a diária do quarto de luxo em que Dilma se hospedou é de R$ 26 mil. “Infelizmente, é mais um péssimo exemplo.

O PT sempre teve dificuldade de separar o que é público do que é pessoal e partidário. A história se repete. A presidente ter escolhido ficar numa suíte cuja diária custa mais de 30 salários mínimos agride o país e ofende os brasileiros”, afirmou o tucano.

A postura da presidente já havia sido vista com maus olhos pelo partido, presidido por Aécio, na Câmara dos Deputados. O líder da sigla na Casa, Carlos Sampaio (SP), afirmou que a petista “passeou” com dinheiro público: “É uma gastança desnecessária, que não condiz com a situação econômica do nosso país e muito menos com as dificuldades com as quais os brasileiros são obrigados a conviver todos os dias, como inflação alta e serviços públicos precários, problemas que Dilma não consegue resolver”.

Correio Brasiliense

Por uma rede social, o líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes (SP), ironizou a escala. “Dilma Rousseff, presidente da República, teve noite de rainha do Sabá na escala milionária em Lisboa”, disse, em referência à história da soberana que viveu no século 6 antes de Cristo e teria levado seis meses em viagem entre Sabá e Jerusalém, distantes 2 mil quilômetros. Dilma manteve a viagem em sigilo até ser flagrada entrando no hotel. Na noite de sábado, saiu para jantar no luxuoso restaurante Eleven, que tem vista privilegiada para o Rio Tejo.

Correio Braziliense