Agente da PRF acusado de matar vizinho após briga em condomínio de luxo vai a júri popular

Agente da PRF acusado de matar vizinho após briga em condomínio de luxo vai a júri popular

Mozart e Osvaldo teriam discutido, o empresário foi para casa e depois o agente invadiu o imóvel e atirou contra ele, aponta denúncia (Foto: Arquivo pessoal)

O agente aposentado da Polícia Rodoviária Federal, Mozart Ribeiro, acusado de matar o vizinho empresário Osvaldo Neiva Filho, de 75 anos, vai a júri popular no dia 29 de maio deste ano, às 9h, no auditório do 2º Tribunal do Júri. O julgamento do denunciado acontece cinco anos após o assassinato da vítima, fato registrado no dia 26 de dezembro de 2013, em um condomínio de luxo na região entre o Portal do Sol e o bairro Altiplano, em João Pessoa.

Consta no processo que o agente da PRF atirou várias vezes contra o vizinho empresário, por motivo fútil e de forma que tornou impossível a defesa da vítima. O crime aconteceu no condomínio onde os dois moravam.

A denúncia foi recebida pela Justiça no dia 15 de janeiro de 2014, pelo então magistrado da Vara, Marcos Aurélio Pereira Jatobá Filho, que manteve, ainda, a prisão cautelar do réu. A pronúncia ocorreu em 16 de maio de 2014.

O agente da PRF aposentado recorreu várias vezes da denúncia e, por isso, houve demora para o julgamento final do processo, explicou o chefe de cartório do 2º Tribunal do Júri, Sérvio Túlio Ramalho. “Os autos ficaram fora do cartório, e, em grau de recurso, no período compreendido entre 16 de junho de 2014 a 8 de janeiro de 2019, ou seja, por mais de quatro anos e meio, motivo pelo qual, só agora vai para julgamento pelo Plenário Popular.”

A juíza Francilucy Rejane de Sousa Mota vai presidir a sessão do júri popular e o promotor de Justiça Edjacir Luna acompanha o processo.

ClickPB