Ao lado de Moro e filhos, Bolsonaro faz teste de popularidade e assiste à final da Copa América

Ao lado de Moro e filhos, Bolsonaro faz teste de popularidade e assiste à final da Copa América

RIO – Em mais um teste de popularidade, o presidente Jair Bolsonaro vai neste domingo à final da Copa América entre Brasil e Peru, no Maracanã. Na tribuna no estádio, Bolsonaro deve estar acompanhado de 20 pessoas, incluindo nove ministros; os filhos Eduardo (deputado federal) e Flávio (senador) e até o embaixador de Israel, Yossi Shelley. O ministro da Justiça, Sergio Moro , deve acompanhar o presidente ao campo para acenar às arquibancadas.

Na última sexta-feira, Bolsonaro disse que levararia  Moro, envolvido no episódio de vazamento de supostos de diálogos com procuradores do Ministério Público Federal (MPF), ao gramado para que o povo dissesse se eles estão certos ou não .

O avião presidencial decola neste domingo, às 14h30, da Base Aérea de Brasília, com 14 pessoas. Antes da viagem, o presidente recebeu no Palácio do Alvorada integrantes da comitiva. Já chegaram o filho e deputado Eduardo Bolsonaro; o líder do governo na Câmara, o deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Osmar Terra (Cidadania).

— Pretendo domingo não só assistir à final do Brasil com o Peru, bem como, se for possível e a segurança me permitir, iremos (Bolsonaro e Moro) ao gramado. O povo vai dizer se nós estamos certos ou não — disse o presidente.

O ministro Moro, no início da tarde deste domingo, comparou no Twitter a partida da Copa América à Operação Lava-Jato, no Brasil, e às investigações no Peru sobre o pagamento de propina da empreiteira Odebrecht a quatro ex-presidentes. Segundo ele, os dois países da América Latina “ganharam” no combate à corrupção, mas observou que no futebol só um pode vencer.

“Brasil e Peru fazem, na Copa América, o clássico da Lava Jato/Caso Odebrecht. Foram os dois países da AL que mais agiram, em processos criminais, contra a corrupção. Houve intensa cooperação do Brasil com o Peru. Os dois países ganharam. Pena que no futebol só um pode ganhar”.

Bolsonaro já havia assistido à semifinal entre Brasil e Argentina, no Mineirão, na semana passada. Ele encontrou Neymar no Mineirão antes da partida . No intervalo da partida, Bolsonaro deixou sua área reservada, desceu ao gramado do Mineirão e dividiu o estádio entre os que gritaram “mito” e os que o vaiaram. O presidente passou perto da arquibancada, pegou uma bandeira vinda dos torcedores, a agitou e depois a devolveu.

Questionado sobre ter havido vaias quando foi ao gramado no intervalo do jogo entre Brasil e Argentina, no Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, Bolsonaro justificou que os protestos foram para a seleção argentina que entrava em campo no momento. Segundo ele, o público não sabia que era ele.