Apesar de recorde nominal, Ibovespa ainda está longe do recorde real de 2008

Apesar de recorde nominal, Ibovespa ainda está longe do recorde real de 2008

Em termos reais, o Ibovespa, principal índice da B3, continua longe do recorde alcançado em maio de 2008, durante governo do ex-presidente LulaReprodução: Flickr/Wisconsin Evening & Executive MBA Programs

Apesar de ter alcançado a marca dos 102.062 pontos no pregão da última 2ª feira (24.jun.2019), o Ibovespa –principal índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo)– está longe de alcançar o nível recorde de pontuação, atingido em maio de 2008, segundo dados da Economatica.

À época, o índice bateu os 137.470 pontos, em valores ajustados pelo IPCA – Índice de Preços ao Consumidor Amplo.

Nesse período, 5 presidentes comandaram o país: Fernando Henrique Cardoso, Lula, Dilma Rousseff, Michel Temer e o atual, Jair Bolsonaro.

De acordo com dados do BC (Banco Central), de 2001 e 2019, a inflação acumulada foi de 189,5%. Ou seja, R$ 100 no início do século equivalem a R$ 289,50.

Durante esses anos, os agentes econômicos acompanharam a forte oscilação do índice, em meio à complexa conjuntura internacional, face à crise financeira mundial de 2008, além do atual período de desaceleração global.

Levando em consideração a pontuação corrigida pelo IPCA, em 2002, durante o governo de FHC, o Ibovespa chegou a registrar a pontuação de 41.358 pontos.

Já durante a presidência de Lula, o balcão de negócios paulista viveu seu auge, alcançando em 2008 o nível recorde de 137.470 pontos.

Posteriormente, voltou a pontuações inferiores sob o governo de Dilma Rousseff –com 71.296 pontos em 2015. No mesmo ano, a economia encolheu 3,8%, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 1 sinal da forte recessão ocorrida no período.

Com o impeachment de Dilma, Michel Temer assumiu o Palácio do Planalto. Apesar de ter aprovado medidas bem vistas pelo mercado, como a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do teto de gastos e a reforma trabalhista, a equipe econômica, liderada por Henrique Meirelles, não conseguiu o principal: emplacar a reforma da Previdência.

O governo também foi prejudicado pela greve dos caminhoneiros, em maio de 2018. Durante o mandato do emedebista, a máxima alcançada foi em fevereiro daquele ano: 92.684 pontos.

Neste ano, com o governo de Bolsonaro, o mercado volta a apostar as fichas na equipe econômica do Planalto, comandada pelo ministro Paulo Guedes (Economia).

A tramitação da PEC da Previdência no Congresso Nacional, com a perspectiva de economia fiscal próxima aos cálculos projetados pelos técnicos, aumenta o risco por parte dos investidores. Também enche os olhos do mercado a agenda econômica de viés liberal capitaneada pelo governo.

O BRASIL HÁ UMA DÉCADA

Há mais de 10 anos, a economia brasileira surfava em uma maré de otimismo, antes da crise econômica mundial, iniciada em setembro de 2008.

O país, então presidido por Lula, recebia o título de grau de investimento pela agência de risco Standard & Poor’s, que elevou o rating (nota de crédito) para BBB-.

Ainda em 2008, a Fitch Ratings também elevou o Brasil à condição de grau de investimento para BBB-. Já em 2009, foi a vez de Moody’s conceder o selo de bom pagador ao país, elevando o grau para Baa3.

CRISE FINANCEIRA DE 2008

No entanto, a quebra do banco Lehman Brothers, em setembro de 2008, colocou o planeta em choque. Era o estopim para o que estava por vir em seguida. A crise mundial, que tem como base os empréstimos concedidos para financiamento de imóveis norte-americanos, deixou rastros mundo afora.

No plano nacional, é célebre a expressão do ex-presidente Lula, que classificou como “marolinha” os possíveis efeitos da crise econômica sob o Brasil. Em 2009, a economia doméstica retraiu 0,1%.

Entretanto, na época, o governo decidiu por aplicar instrumentos que estimulavam a economia. Em 2010, no último ano do mandato de Lula, a economia cresceu 7,5%.

Ao longo dos anos, porém, a situação deteriorou-se. Com a expansão dos gastos, o país, que sentiu levemente o impacto da crise financeira nos primeiros anos, corre agora para recuperar o espaço outrora perdido, em termos de investimento.

O QUE DIZEM OS ESPECIALISTAS

Para Marcel Balassiano, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (IBRE-FGV), em 1 recorte histórico, a conjuntura econômica de 2008 possibilitou à Bolsa brasileira alcançar novos recordes.

Após o período de estabilização da inflação no governo de FHC, o governo Lula concentrou-se em trabalhar no aumento das reservas internacionais, o que diminuiu nossa vulnerabilidade externa, situação que antigamente nos impactava muito. Com a atividade econômica crescendo, além de 1 cenário externo positivo, antes da crise mundial, vimos essa explosão da Bolsa“, explicou.

Ainda segundo Balassiano, o contraponto da trajetória do Ibovespa para com a projeção do PIB pelo boletim Focus, relatório semanal divulgado pelo BC (Banco Central), é explicado pela expectativa dos agentes.

Na economia real, estamos há 17 semanas com projeções para baixa. No entanto, no mercado acionário, a bolsa sobe, assim como o risco-país diminui. Isso é explicado pela precificação dos ativos. Apesar de esperarmos 1 crescimento medíocre neste ano, as perspectivas futuras são positivas com a aprovação da reforma da Previdência“, completou.

Na visão de Raphael Figueredo, sócio-analista da Eleven Financial Research, mesmo com a perspectiva de aprovação da PEC da Previdência, somente ela não será suficiente para o Ibovespa atingir novo recorde real.

Para mim seria uma surpresa bater os 137 mil pontos só com Previdência. Para haver esse crescimento, deve haver desenvolvimento orgânico da economia. O que precisamos é de 1 aumento da produtividade, com economia fiscal, arrumando a casa. (…) por enquanto estamos recuperando o que perdemos em anos anteriores“, explicou.

Para isso, Figueredo explica que os agentes econômicos apostam na aprovação da agenda econômica liberal do governo. “Os agentes apostam no engajamento do governo em pautar outras reformas, como a tributária. Passando desse ponto, o mercado já mira o ano de 2020, apostando em 1 crescimento maior. As ações e o mercado entendem que isso pode trazer uma boa valorização para o índice“, finalizou.

Para este ano, com a aprovação da PEC da Previdência, a Eleven Financial Research calcula o Ibovespa encerrando a 123 mil pontos.

ALTAS NO EXTERIOR

Desde que Donald Trump, presidente dos EUA, assumiu o comando do país, os índices Dow Jones, Nasdaq e S&P500, que compõem a NYSE (Bolsa de Valores de Nova York, na sigla em inglês), sustentaram novos níveis, em meio ao avanço da economia norte-americana, em vigor desde junho de 2009. Eis as máximas:

  • S&P500 – Fechamento no dia de 20 de junho de 2019: 2.954,18 pontos;
  • Nasdaq Composite – Fechamento no dia 3 de maio de 2019: 8.164,0 pontos;
  • Dow Jones – Fechamento no dia 3 de outubro de 2018: 26.828,39 pontos.

Já no continente europeu, o índice Euro Stoxx 50, composto por 50 ativos da Zona do Euro, alcançou a máxima em 6 de março de 2000:  5,464,3 pontos.

No lado asiático, a China Shangai Composite Stock Market Index atingiu a máxima em outubro de 2007, aos 6.092,06 pontos.

Poder360