Após aprovação da Previdência, Maia exalta ‘protagonismo do Parlamento’ e agradece Centrão

Após aprovação da Previdência, Maia exalta ‘protagonismo do Parlamento’ e agradece Centrão

“O nosso objetivo é recuperar a força da Câmara e do Congresso, porque recuperando isso estamos fortalecendo a democracia”, afirmou

Visivelmente emocionado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou em discurso após a aprovação em primeiro turno do texto-base da reforma da Previdência nesta quarta-feira (10), que “há anos o Parlamento não tem o protagonismo que tem hoje”, conquistado, de acordo com ele, devido à relação de confiança entre os parlamentares.

“Eu tenho muito orgulho de presidir essa Câmara, de ter a confiança dos líderes, e não só daqueles que pensam como eu penso, mas também dos que pensam de forma distinta”, declarou Maia. “Durante 30 anos tiraram as prerrogativas dessa Casa, diminuíram a importância dela, e o nosso objetivo é recuperar a força da Câmara e do Congresso, porque recuperando isso estamos fortalecendo a democracia”, completou.

Aplaudido e ovacionado pelos presentes, ele disse que “através do Parlamento conheceu um Brasil que não conhecia”. “É daqui que vamos resolver os problemas, as soluções passam pela política”, afirmou, garantindo que estava “muito feliz de ter conduzido a sessão com tanto respeito”. “Eu sei que a boa relação que construímos de confiança entre todos é o que nos permitiu chegar ao momento de agora.”

O presidente agradeceu também aos partidos do chamado Centrão – composto, por exemplo, por PTB, PP, Solidariedade, PRB e DEM – que, segundo ele, são os que estão fazendo a reforma. “O Centrão é essa coisa que ninguém sabe o que é, mas é do mal. Mas é o centrão que está fazendo a reforma”, afirmou.

Maia lembrou que este momento é “histórico para todos nós”, tanto para os que defendem a reforma, quanto para os que são contra ela. Ele disse que às vezes acompanha os discursos dos que não defendem a nova Previdência e se pergunta se sua opinião está correta. Porém, assegurou que a cada fala que ouve “tem mais convicção de que a posição de reformar o estado brasileiro é a mais certa”.

Maia afirmou ainda que quando o texto foi construído não era “o texto dos sonhos” de todos. Ele ressaltou, por exemplo, que o seu “não teria a regra de transição para os servidores público nem para a polícia federal”, mas que essa transição foi construída. “Mesmo na divergência, vamos construir um Parlamento forte e uma agenda que reduza as desigualdades e a pobreza nesse país”, finalizou.

Aprovação

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (10), em primeiro turno, o texto-base da reforma da Previdência. Reunidos desde a manhã para votar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), os parlamentares favoráveis às mudanças encaminharam a medida pelo placar de 379 a 131. Eram necessários pelo menos 308 dos 513 votos.

A reforma ainda será submetida a uma segunda votação na Câmara. Depois, passará por mais duas votações no Senado.

  • Jovem Pan