João Pessoa 16/01/2019

Início » Câmara em foco » Após escândalo, João de Deus posta vídeo com filha negando abuso

Após escândalo, João de Deus posta vídeo com filha negando abuso

Após ser acusado por centenas de mulheres de abuso sexual, o médium João de Deus divulgou um vídeo em que aparece ao lado da filha. Em pouco mais de um minuto e meio, a mulher desmente a informação de que ela teria movido um processo contra o pai, por estupro.

“Quero declarar a todos que essa pessoa que está aqui do meu lado nunca me abusou sexualmente, nunca me deixou passar falta de nada, nem eu nem meus filhos, e todos meus irmãos”, comentou. “O que estão fazendo com ele é injustiça. Tudo é por causa de dinheiro”, completou ela, que se diz “envergonhada pela atitude dos filhos”

Segundo o portal O Antagonista, os filhos da mulher já teriam processado João de Deus anteriormente pelo caso, que terminou em acordo. Agora o portal de notícias diz que a própria filha do médium move uma ação contra ele, pedindo indenização de R$ 50 milhões.

No vídeo, João de Deus fala por poucos segundos. “Eu quero que Deus te olha, te protege. Do jeito que eu olhei você, eu olhei todos”, disse o médium ao comentar sobre a formação de seus filhos e netos.

Segundo O Antagonista, em ação de reparação de danos morais, a herdeira do médium pede R$ 50 milhões pela causa. O pedido tramita em segredo de Justiça e, nos autos, consta que “por trás dessa figura aparentemente dócil, amável e caridosa, se esconde um homem bruto, cruel, violento”, conforme pontua a defesa da filha.

Ao portal, o advogado autor do processo, Marcos Eduardo Cordeiro Bocchini, recusou-se a se manifestar pelo fato de a ação correr em sigilo. De acordo com a apuração do site, “uma fonte do MP de Goiás informou que a vítima teria sido violentada quando ainda era menor de idade, o que configuraria estupro de vulnerável”.

O pedido tramita em segredo de Justiça e, nos autos, consta que “por trás dessa figura aparentemente dócil, amável e caridosa, se esconde um homem bruto, cruel, violento”, conforme pontua a defesa da filha.

Ao portal, o advogado autor do processo, Marcos Eduardo Cordeiro Bocchini, recusou-se a se manifestar pelo fato de a ação correr em sigilo. De acordo com a apuração do site, “uma fonte do MP de Goiás informou que a vítima teria sido violentada quando ainda era menor de idade, o que configuraria estupro de vulnerável”.