João Pessoa 25/05/2019

Início » Variedades » Após prisão de 2 suspeitos, investigações do caso Marielle terão 2ª fase

Após prisão de 2 suspeitos, investigações do caso Marielle terão 2ª fase

Mandante do crime: não descoberto MP: Atuação política motivou crime

Elcio Queiroz (esq.) e Ronnie Lessa são suspeitos de participar do assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ)Divulgação/PMRJ

O delegado Giniton Lages, chefe da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro, afirmou nesta 3ª feira (12.mar.2019) que haverá uma 2º etapa de investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ) e do motorista Anderson Gomes.

De acordo com Lages, serão investigados possíveis mandantes do crime e o paradeiro do carro utilizado no dia do assassinato, em 14 de março.

Será apurada a motivação do atirador. Segundo as investigações, Ronnie Lessa, policial militar reformado detido nesta 3ª, tinha “ódio e desejo de morte” contra pessoas de esquerda e havia pesquisado informações sobre Marielle e sobre o deputado federal Marcelo Freixo (Psol-RJ), entre outros.

“O perfil dele [Ronnie Lessa] revela uma obsessão por determinadas personalidades que militam à esquerda política”, disse Lages. “Você percebe ódio e desejo de morte. Você percebe o comportamento de alguém capaz de resolver uma diferença do modo como foi o caso Marielle.”

Segundo o delegado, as apurações não se encerram nas prisões do sargento reformado Ronnie Lessa e do ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz. As investigações permanecem sob sigilo para identificar o mando do crime.

O Ministério Público apresentou também nesta 3ª feira denúncia contra os 2 suspeitos. A promotora Simone Sibilio, coordenadora do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), disse que eles assassinaram Marielle por “motivo torpe, interligado à abjeta repulsa e reação à atuação política da mesma na defesa de suas causas.”

“Isso ficou comprovado, ficou suficientemente indiciado a ponto do MP denunciar por essa motivação. Essa é uma motivação torpe, abjeta”, disse Simone. Marielle era defensora dos negros, LGBTIs e outras minorias.

SUSPEITOS NEGAM ENVOLVIMENTO 

Os advogados de Ronnie Lessa e Elcio Vieira de Queiroz negaram envolvimento de seus clientes no caso.

Ambos os suspeitos estão na Delegacia de Homicídios, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro, mas se recusaram a prestar depoimento, de acordo com informações divulgadas por policiais no início desta tarde.

“O Elcio não estava nem nesse dia. Eu tenho certeza de que não tem foto dele no carro e muito menos gravação dele nesse dia lá. E tenho certeza de que a vítima que sobreviveu não vai reconhecer o meu cliente”, disse Luís Carlos Azenha, advogado do ex-policial militar.

Viana foi expulso da corporação após ser preso na operação Guilhotina, que investigou policiais civis e militares acusados de corrupção e de manter ligações com traficantes. “Ele não foi condenado na operação Guilhtiona. Ele estava pleiteando o seu reingresso na PM”, disse Azenha.

(com informações da Agência Brasil)