Arrascaeta passa de vilão para herói, Fla bate Vasco nos pênaltis e conquista Taça Rio

Foi na raça, e mesmo com os reservas. O Flamengo até saiu atrás do Vasco, mas Arrascaeta, já nos acréscimos, arrancou empate e o Rubro-Negro  aproveitou os pênaltis para conquistar a Taça Rio.  Sendo assim, o Cruz-Maltino não conseguiu encurtar o caminho até a decisão e terá de jogar semifinal do Carioca contra o  Bangu. O Fla fará a outra semifinal diante Flu. Fernando Miguel para Vitinho De olho na Libertadores, e já na semifinal do Carioca,

O Flamengo poupou os titulares. Já o Vasco era o mesmo dos últimos jogos, com os mesmos vícios e virtudes. Logo aos cinco, Marrony tentou cavar pênalti. Nada a marcar.  Apesar dos reservas de um lado, e de, mesmo com os titulares, o Cruz-Maltino não ter conseguido grande volume de jogo, o clima no Maracanã era de decisão. Pelo bom público, e pelas festas das torcidas.

Em campo, porém, o jogo não empolgou tanto. Só quando os rubro-negros passaram a arriscar mais, a coisa esquentou. E Vitinho travou um bom duelo com Fernando Miguel.  Os melhores lances da primeira parte foram em tentativas do ponta, a grande válvula de escape da equipe da Gávea. Na primeira tentativa, Vitinho quase surpreendeu Fernando Miguel, que se recuperou para espalmar.

Vitinho tentou de novo perto do intervalo. Ao receber bola na área, o atacante desferiu chute cruzado, e Fernando Miguel fez outra defesa difícil para manter o 0 a 0.  Emoção e decisão nos pênaltis No segundo tempo, os meninos da Colina apareceram. Para desequilibrar um jogo bem equilibrado e fechado, Marrony tentou de fora, mas César espalmou.

Na cobrança do escanteio, Tiago Reis apareceu no primeiro pau, mostrando estrela. Desvio certeiro, tirando completamente a bola do alcance de César.  Vitinho seguiu duelando com Fernando Miguel para tentar empatar. Aos 14, chute de fora da área do atacante, que acabou nas mãos, mais uma vez, do goleiro.  O jogo foi se tornando cada vez mais pressão do Fla diante dos contragolpes vascaínos. Mas o que mais fazia a diferença era a disciplina do time de Alberto Valentim na defesa.

Durante todo o campeonato, e até ao longo do ano todo, a equipe de Valentim foi criticada por fazer pouco no ataque, mas se manteve quase sempre segura na defesa. Foi assim durante quase todo tempo neste domingo.  O 1 a 0 se segurou até os 48 minutos. Foi quando Bill fez bagunça na direita do ataque. A bola saiu em lateral, e a defesa vascaína ficou olhando o cruzamento.

De Arrascaeta, de atuação apagada, acabou evitando a derrota em cabeçada que levou a decisão para os pênaltis.  Quem foi herói? Herói e vilão são termos comumente usados no futebol de duração muito curta. Tanto que, em um espaço de um jogo, um jogador pode ser considerado os dois. E isso conta bem a história do título.

Arrascaeta poderia ser o vilão, mas virou herói. E Tiago Reis, que poderia ter sido herói, falhou nos pênaltis diante de César. Rossi e Werley também vacilaram, e o Fla conquistou a Taça Rio.

O Gol