As lições de comunicação de Fabio Assunção, analisa Juliano Nóbrega

As lições de comunicação de Fabio Assunção, analisa Juliano Nóbrega

Na entrevista, Fabio é direto e transparente sobre as questões mais difíceisReprodução/Instagram

1. LIÇÕES DE COMUNICAÇÃO DE FABIO ASSUNÇÃO

Chega o final de semana e com ele uma enxurrada de memes, figurinhas ou gifs, com uma foto de Fabio Assunção. No mundo das redes sociais e do WhatsApp, o rosto do ator está invariavelmente associado a baladas, bebedeiras e pés-na-jaca.

No último domingo, Fabio ressurgiu em público em entrevista ao jornal O Globo“Pouco depois de finalizar as gravações da série ‘Onde está meu coração’ (Globoplay), em que interpreta o pai de uma médica dependente de crack, o ator decidiu que era hora de falar.” Pois é: a entrevista traz valiosas lições sobre comunicação e como lidar com crises de imagem.

“Já que estão falando, vamos falar direito.”
Fabio resumiu perfeitamente. Não foi escolha sua tornar a dependência pública. Ele era o galã da novela, e encontrou um paparazzo no seu primeiro dia no AA. Vale para qualquer pessoa ou organização pública: se vão falar de você num assunto complicado, é melhor tomar a dianteira e “falar direito”.

Calibre a reação, e não revide na mesma moeda
Em julho de 2018, a banda La Furia ganhou fama na internet com uma música que fazia referência ao ator. “Hoje eu vou beber, hoje eu vou ficar loucão (…) Hoje eu vou virar o Fábio Assunção”. Fabio comenta: “Teve uso indevido de imagem, difamação, um monte de coisa que poderia entrar num processo, mas o que isso iria transformar? A banda ia continuar não entendendo o que estava fazendo, com as pessoas curtindo a música mais ainda”. Solução: um acordo em que a banda concordou em doar a renda da música para instituições que lidam com dependência. 👏👏 Saldo positivo de imagem para todos.

Seja autêntico
Na entrevista, Fabio é direto e transparente sobre as questões mais difíceis. O uso de cocaína, o tratamento, a relação com os filhos, sua condição atual. Não tem, ou não parece ter, “talking points”, “Q&A”. O grau de credibilidade é enorme.

Escolha falar na hora certa
No podcast diário do Globo, a repórter Nani Rubin conta que pedia a entrevista desde fevereiro. Fabio “decidiu falar” (palavras do jornal) às vésperas de voltar à televisão. É o bom e velho “gancho”. Nesse caso, uma forma de começar um assunto difícil com uma história positiva. Não custa registrar: aqui está o valor de um planejamento de comunicação. Foi o assessor de imprensa de Fabio que contatou a repórter na hora de falar.

  • Para além do olhar de comunicação, Fabio Assunção dá uma bonita aula sobre como lidar com a dependência. “Qual é a dificuldade de entender que o vício faz parte dos buracos que a gente tem na alma? O vício não é uma questão de caráter, ou de escolha. Não é você aceitar uma propina. É impulsão, compulsividade.”
  • E sobre aqueles memes todos? Seguiu o conselho do filho, hoje com 16 anos: “Isso é zoeira, não liga não. Os caras fazem isso com todo mundo, são divertidos.” 😃

PS: o podcast traz vários clipes de áudio da entrevista. Vale a pena.

2. O NOVO PROPÓSITO DOS CEOS

O mundo dos negócios foi sacudido esta semana por uma nova “declaração de propósito da empresa” pela organização que reúne os CEOs das maiores companhias americanas —Apple, Amazon, IBM, Ford, J&J, Mastercard, Pfizer, P&G, Walmart, e por aí vai.

Pela primeira vez na história, eles se comprometem a liderar suas empresas para o benefício de todos os “stakeholders” —clientes, funcionários, fornecedores, comunidades e acionistas. Até hoje, as declarações divulgadas pela Business Roundtable sempre “endossaram princípios de que as corporações existem principalmente para atender aos acionistas”. Não mais.

Surto de responsabilidade social do mundo corporativo? Fim do capitalismo? Não é bem assim, claro. No fundo, é uma questão de imagem e percepção, analisa o sempre ótimo Dylan Byers:

“O sentimento negativo do público representa uma ameaça muito direta ao valor do acionista. Assim, a coisa mais sábia que os líderes empresariais podem fazer é abordar o antagonismo de frente, telegrafando seu compromisso com o bem maior.”

“A decisão de substituir o ‘valor para o acionista’ como princípio orientador para as empresas diz respeito a, em última análise, elevar a percepção pública sobre as empresas; portanto, o efeito de longo prazo é aumentar o valor para os acionistas.”

  • Mesmo que com um grão de sal, vale ler a nova declaração de propósito das empresas americanas. “Cada um dos nossos stakeholders é essencial. Comprometemo-nos a entregar valor a todos eles, para o sucesso futuro de nossas empresas, nossas comunidades e nosso país.” Parece uma oportunidade e tanto para quem trabalha a comunicação das empresas que seguirem esses princípios.

3. O BILIONÁRIO E SEUS ANÚNCIOS DE JORNAL

Um personagem de destaque em Hong Kong adotou uma forma inusitada de se posicionar sobre a crise na região chinesa. O bilionário Li Ka Shing, de 91 anos, cuja fortuna é avaliada em US$ 27 bilhões, publicou anúncios enigmáticos na capa de dois jornais locais. Sim, no papel mesmo.

  • Um deles é mais simples. Traz um círculo e uma faixa vermelhos sobre a palavra violência, e frases exortando as pessoas a “amar a China” e “amar Hong Kong”.
  • Já o segundo anúncio faz referência a um poema antigo escrito em chinês clássico: “O melão de Huangtai não pode suportar ser colhido novamente.” 🤔
  • “A mensagem é rica em significado, mas aberta à interpretação. (…) Significa que algo sofreu tanto que qualquer outro ataque o arruinaria completamente”diz o South China Morning Post.

Novos protestos estão programas para este sábado. Quer entender rapidamente as origens da crise em Hong Kong? Esse excelente podcast do Wall Street Journalexplica.

4. TURISTAS DEMAIS, COMO LIDAR?

Alguns dos principais destinos turísticos do mundo estão, simplesmente, cheios demais. Se o turismo traz receita, desenvolvimento e empregos, as multidões de viajantes podem ser um transtorno para os locais. Nessa matéria, a BBC buscou entender como Amsterdam, São Francisco, Praga e Barcelona, que estão entre as mais lotadas do mundo, estão lidando com a questão.

  • Restringir, parece, nunca será solução. O que autoridades estão fazendo é tentar, de um lado, disciplinar o fluxo (com pedágios e algumas restrições) e, de outro, tentar atrair turistas para outras áreas e assim distribui-los melhor.
  • Zandvoort, a 40km de Amsterdam, foi rebatizada de “Amsterdam Beach” para atrair turistas. O governo local também está levando uma espécie de “virada” a bairros menos conhecidos, buscando promovê-los.
  • São Francisco resolveu pedagiar a famosa Lombard Street, e Praga também está tentando levar turistas para outras cidades, com Brno, a bela segunda maior do país.

Por aqui, o turismo no Rio de Janeiro foi classificado pela principal organização global do setor como “nascente em desenvolvimento”, junto com Bogotá, Buenos Aires, Cairo e Istambul, entre outras –”crescimento mais lento do turismo e menor concentração de visitantes, por enquanto”.

  • Para suportar um eventual crescimento, essas cidades devem focar “no desenvolvimento e aprimoramento de infraestrutura urbana, como conectividade aeroportuária, alojamento e abordar questões ambientais, como resíduos e qualidade da água.”

5. KOOKS: “SOMOS TÃO LINDOS QUE NÃO TEMOS NENHUMA CHANCE”

“Lembra quando éramos felizes?
Daí crescemos, e ficamos ocupados”

Forbes americana os chamou recentemente de “a banda mais popular que você não conhece”. Pois é. Já são 15 anos de estrada, e um monte de sucessos “desconhecidos”. Todos herdeiros da melhor linhagem do rock britânico — Smiths, Cure, Oasis, Blur…

  • Naive, a música mais tocada do Spotify no UK em 2006, e a clássica She Moves In Her Own Way, têm ambas mais streams que Like e Prayer, vejam só (segundo o Spotify).
  • O último lançamento do grupo, So Good Looking, é uma volta perfeita àqueles tempos. “O Kooks lança sempre a mesma música?”, brincou um tuiteiro. Não importa: garanto que vai animar seu fim de semana com seu pop deliciosamente fácil.
  • Aqui tem uma playlist para ouvir o melhor dos Kooks. Vale também ouvir (e assistir!) esse ótimo show no Moth Club em Londres.

Poder360