João Pessoa 21/02/2019

Início » Destaque » Às vésperas da posse de Bolsonaro, 65% estão otimistas com a economia

Às vésperas da posse de Bolsonaro, 65% estão otimistas com a economia

Carreata do Bolsonaro na Ceilândia e Taguatinga. Brasilia, 05-09-18. Foto: Sérgio Lima/Poder 360

Bolsonaro em carreata na cidade de Taguatinga (DF) durante a corrida eleitoral

A menos de 10 dias da posse de Jair Bolsonaro (PSL) como presidente da República, o otimismo dos brasileiros em relação à economia subiu de 23%, em agosto, para 65% em dezembro. O número é 1 recorde, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (23.dez.2018).

O número é o mais alto de uma série histórica iniciada em 1997, quando Fernando Henrique Cardoso (PSDB) era o presidente.

Outros 24% pensam que a situação econômica vai ficar como está e apenas 9% acham que vai piorar. Eis abaixo:

A pesquisa ouviu 2.077 pessoas. Foi realizada em 130 municípios de 18 a 19 de dezembro de 2018. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O nível de confiança é de 95%.

Segundo o levantamento, outros 67% acreditam que eles próprios estarão melhores economicamente a partir de 2019. É 1 crescimento significativo em relação a agosto, quando 38% dos entrevistados responderam desse jeito.

Esse índice, registrado em dezembro, fica empatado na margem de erro (2 p.p) com os 68% de março de 2013, antes de as manifestações de junho afundarem a popularidade da então presidente Dilma Rousseff (PT).

DESEMPREGO

O Datafolha também questionou os entrevistados sobre a expectativa para o desemprego. Para 47%, a taxa irá cair. Em agosto eram apenas 19%. Outros 29% acham que irá aumentar e 21% dizem acreditar que a seguirá a mesma.

Em novembro de 2018, a taxa de desocupação registrou a 7ª queda mensal consecutiva e fechou o trimestre encerrado em outubro em 11,7%. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o desemprego atinge 12,4 milhões de brasileiros.

A expectativa positiva registrada em dezembro é o maior da série histórica, iniciada em 1995. Os pontos altos anteriores eram de 41%, em junho de 2003, março de 2013 e novembro de 2010.

Poder360