Athletico Paranaense perde para Wilstermann, mas segue perto das oitavas

Athletico Paranaense perde para Wilstermann, mas segue perto das oitavas

O Athletico Paranaense lutou, mas acabou derrotado em Cochabamba pelo Jorge Wilstermann, por 3 a 2, e ainda não conseguiu confirmar vaga nas oitavas da Libertadores.  Os paranaenses ainda lideram o grupo G, com nove pontos, e torcem por vitória do Boca Juniors (sete) sobre o Tolima (quatro) para garantirem a vaga antecipada.

Os bolivianos chegaram aos cinco pontos e ganham sobrevida.  Equilíbrio em Cochabamba O início de jogo do Athletic foi positivo. Logo aos três minutos, Marco Rúben teve chance de marcar em cabeçada, mas mandou bola perto do gol. Aos seis, novo cruzamento e a zaga boliviana afastou.  O Jorge Wilstermann tinha no brasileiro Serginho o grande cérebro da equipe.

Acostumado a brilhar contra equipes brasileiras (conseguiu quatro assistências contra o Vasco e brilhou contra o Galo), o meia era o responsável pela armação das jogadas de sua equipe e pelas bolas paradas.  O gol que abriu o placar saiu exatamente de uma bola parada. A zaga paranaense não conseguiu afastar cobrança de escanteio, e Pedriel, contando ainda com desvio na trave, marcou para o time da casa.

Serginho seguia dando trabalho, mas Ballivián acabou dando uma ajudinha para os brasileiros. Depois de cruzamento de Renan Lodi, o lateral acabou marcando contra.  Decisão nos “pênaltis” Na volta do intervalo, o Wilstermann voltou para a dianteira do marcador. Em cabeçada de Serginho, a bola pegou no braço de Jonathan e o árbitro marcou pênalti. Ortíz marcou na cobrança.

Só que o Rubro-Negro também teve um pênalti a seu favor pouco depois. Renan Lodi caiu na área e o apitador marcou a penalidade, que foi convertida por Marco Rúben.  O duelo era animado no segundo tempo, com chances de vitória das duas partes. A decisão ficou mesmo para os minutos finais, e teve novo pênalti.

Dessa vez, a arbitragem marcou mão de Paulo André na área. Carlos Melgar mandou para a rede, garantindo a vitória boliviana.

O Gol