João Pessoa 11/12/2018

Início » Notícias » Bancada da bala deverá ser três vezes maior no Congresso a partir de 2019

Bancada da bala deverá ser três vezes maior no Congresso a partir de 2019

A chamada “bancada da bala”, grupo de parlamentares que defendem endurecimento do Código Penal e das políticas de segurança pública, deve passar de 36 para pelo menos 102 parlamentares na próxima legislatura (confira a lista mais abaixo). Os dados fazem parte de levantamento feito pelo Congresso em Foco, com base em pautas defendidas pelos novos congressistas e pelas atuais lideranças. O número, porém, pode ser ainda maior.

Grande parte da bancada da bala de 2019 será composta por deputados e senadores do PSL, partido do presidente eleito Jair Bolsonaro. A legenda, nanica até então, terá no ano que vem a segunda maior composição da Câmara, com 52 deputados, além de 4 senadores.

Puxado pelo discurso de Bolsonaro, os parlamentares devem defender pautas como redução da maioridade penal, revogação ou flexibilização do Estatuto do Desarmamento, regras mais rígidas para a progressão de regime e ampliação do limite de pena no Brasil. “Todos do PSL devem integrar a frente, é a bandeira do Bolsonaro”, acredita Capitão Augusto (PR-SP), próximo coordenador da Frente Parlamentar de Segurança Pública e também pré-candidato da bancada à presidência da Câmara.

Em busca de apoio para sua recondução ao comando da Casa, o atual presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comprometeu-se com lideranças da frente a levar a plenário o projeto de revogação do Estatuto do Desarmamento, do deputado Peninha (MDB-SC). Mas, diante do fortalecimento da bancada no próximo ano, a pedido do próprio presidente eleito, a votação deve ficar para 2019. Bolsonaro entende que o perfil mais conservador da próxima legislatura facilitará a aprovação do projeto de lei.

Deputado eleito pelo PP de São Paulo, Tenente Derrite é um dos reforços da bancada da bala. Tenente do Corpo de Bombeiros, vinculado à Polícia Militar, ele disse ao Congresso em Foco que defende a revogação da Lei de Execuções Penais, acabando com a saídas temporárias dos presos (os chamados saidões) e o regime de progressão de pena, a derrubada do Estatuto do Desarmamento, garantindo ao cidadão o direito da posse de arma, o fim do auxílio-reclusão, a diminuição da maioridade penal e a elaboração de um novo Código Penal, com leis mais severas.

Pauta semelhante é defendida pelo General Girão (PSL-RN), que causou polêmica ao defender, uma semana após sua eleição para a Câmara, o impeachment e a prisão de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) responsáveis pela libertação de políticos acusados de corrupção. “Não tem negociação com quem se vendeu para o mecanismo”, escreveu em sua conta no Twitter.

A bancada da bala, em geral, tem o apoio da indústria de armas, como a Taurus e a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), grandes financiadoras de campanhas de políticos e partidos nas eleições de 2014, quando ainda eram permitidas as doações de empresas a campanhas eleitorais. Entre os financiados na atual legislatura está o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, deputado federal pelo DEM do Rio Grande do Sul, estado que sedia a Taurus.

Confira abaixo a lista de senadores e deputados eleitos que devem compor a bancada da bala em 2019:

Deputados – 93
Abou Anni (PSL-SP)

Afonso Hamm (PP-RS)

Alan Rick (DEM-AC)

Alceu Moreira (MDB-RS)

Alê Silva (PSL-MG)

Alexandre Frota (PSL-SP)

Aline Sleutjes (PSL-PR)

Aluisio Mendes (Podemos-MA )

Amaro Neto (PRB-ES)

Andre Abdon (PP-AP)

André Fufuca (PP-MA )

Antonio Carlos Nicoletti (PSL-RR)

Arthur Oliveira Maia (DEM-BA)

Bia Kicis (PRP-DF)

Bibo Nunes (PSL-RS)

Bilac Pinto (DEM-MG)

Cabo Junio Amaral (PSL-MG)

Capitão Alberto Neto (PRB-AM)

Capitão Augusto (PR-SP)

Capitão Fábio Abreu (PR-PI)

Capitão Wagner (Pros-CE)

Carla Zambelli (PSL-SP)

Carlos Jordy (PSL-RJ)

Carlos Zarattini (PT-SP)

Caroline de Toni (PSL-SC)

Charlles Evangelista (PSL-MG)

Chris Tonietto (PSL-RJ)

Coronel Armando (PSL-SC)

Coronel Chrisóstomo (PSL-RO)

Coronel Tadeu (PSL-SP)

Da Vitoria (PPS-ES )

Daniel Freitas (PSL-SC)

Daniel Silveira (PSL-RJ)

Delegado Antônio Furtado (PSL-RJ)

Delegado Éder Mauro (PSD-PA )

Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG)

Delegado Pablo (PSL-AM )

Delegado Waldir (PSL-GO )

Dr. Luiz Ovando (PSL-MS)

Dra. Soraya Manato (PSL-ES )

Edio Lopes (PR-RR)

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)

Efraim Filho (DEM-PB)

Fábio Henrique (PDT-SE)

Fabio Reis (MDB-SE)

Fabio Schiochet (PSL-SC)

Felício Laterça (PSL-RJ)

Felipe Francischini (PSL-PR)

Filipe Barros (PSL-PR)

General Girão (PSL-RN)

General Peternelli (PSL-SP)

Gonzaga Patriota (PSB-PE )

Guiga Peixoto (PSL-SP)

Heitor Freire (PSL-CE )

Helio Fernando Barbosa Lopes (PSL-RJ)

Jerônimo Goergen (PP-RS)

João Campos (PRB-GO)

Joice Hasselmann (PSL-SP)

José Medeiros (Podemos-MT)

Julian Lemos (PSL-PB)

Junior Bozzella (PSL-SP)

Kim Kataguiri (DEM-SP)

Léo Motta (PSL-MG)

Lincoln Portela (PR-MG)

Lourival Gomes (PSL-RJ)

Lucas Redecker (PSDB-RS)

Luciano Bivar (PSL-PE )

Luis Miranda (DEM-DF)

Luiz Lima (PSL-RJ)

Luiz Philippe O. Bragança (PSL-SP)

Major Fabiana (PSL-RJ)

Major Vitor Hugo (PSL-GO )

Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG)

Márcio Labre (PSL-RJ)

Misael Varella (PSD-MG)

Nelson Barbudo (PSL-MT)

Nereu Crispin (PSL-RS)

Onyx Lorenzoni (DEM-RS)

Paulo Martins (PSC-PR)

Peninha (MDB-SC)

Policial Kátia Sastre (PR-SP)

Pompeo de Mattos (PDT-RS)

Prof. Dayane Pimentel (PSL-BA)

Professor Joziel (PSL-RJ)

Sanderson Federal (PSL-RS)

Sargento Fahur (PSD-PR)

Sargento Gurgel (PSL-RJ)

Subtenente Gonzaga (PDT-MG)

Tenente Derrite (PP-SP)

Tio Trutis (PSL-MS)

Wagner Montes (PRB-RJ)

Wellington Roberto (PR-PB)

Wilson Santiago (PTB-PB)

Senadores – 10

Arolde De Oliveira (PSD-RJ)

Capitão Styvenson (Rede-RN)

Delegado Alessandro Vieira (Rede-SE)

Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)

Jornalista Carlos Viana (PHS-MG)

Juíza Selma Arruda (PSL-MT)

Luis Carlos Heinze (PP-RS)

Major Olímpio (PSL-SP)

Marcos Do Val (PPS-ES)

Soraya Thronicke (PSL-MS)

Zero 83