Bancários rejeitam proposta de reajuste; greve já é a mais longa desde 2004 - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Bancários rejeitam proposta de reajuste; greve já é a mais longa desde 2004

greve greveOs bancários rejeitaram a proposta de reajuste salarial apresentada pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), em assembleias realizadas em todo o país. Com isso, a greve da categoria completa 19 dias nesta segunda-feira.

 

A paralisação dos funcionários do setor financeiro já é a mais longa desde 2004, quando os bancários cruzaram os braços por 30 dias. No ano passado, os trabalhadores ficaram parados por nove dias.

A paralisação fechou, nesta segunda, 11.717 agências e centros administrativos, segundo estimativa da Contraf-CUT. A Fenaban não se pronuncia sobre o número de agências fechadas ou trabalhadores parados.

Na última sexta, a Fenaban apresentou proposta de reajuste de 7,1%. O Comando Nacional dos bancários orientou que os sindicatos de todo o país, filiados à Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), votassem contra essa nova oferta.

A proposta seria “insuficiente diante do tamanho dos lucros e da rentabilidade dos bancos”, segundo o Comando Nacional dos bancários.

Essa é a segunda proposta rejeitada pela categoria. No dia 5 de setembro, a Fenaban propôs aumento de 6,1% nos salários da categoria e ampliou para 7,1% (0,97% de ganho real) a oferta aos trabalhadores. A Fenaban também acenou com aumento de 7,5% sobre o piso salarial (ganho real de 1,34%) para R$ 1.632,93. A proposta mantém as regras da PLR do ano passado.

A categoria reivindica reajuste salarial de 11,93% (5% de aumento real além da inflação), participação nos lucros de três salários mais R$ 5.553,15, piso de R$ 2.860,21, entre outros pleitos.

Fenaban lamenta greve

Em nota divulgada anteriormente, a Fenaban afirma que “lamenta essa posição dos sindicatos, que causa transtorno à população, e reitera que a maioria das agências e todos os canais alternativos, físicos (autoatendimento, correspondentes) e eletrônicos, vão continuar funcionando normalmente”.

Os bancos disseram ainda que “respeitam o direito à greve, entretanto, farão tudo que for necessário e legalmente cabível para garantir o acesso da população e funcionários aos estabelecimentos bancários”

Principais reivindicações dos bancários:

  • Reajuste salarial de 11,93%
  • PLR: três salários mais R$ 5.553,15
  • Piso: salário mínimo do Dieese (R$ 2.860,21)
  • Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: salário mínimo nacional (R$ 678)
  • Emprego: fim das demissões em massa, ampliação das contratações, combate às terceirizações e contra o PL4330 (que libera a terceirização e precariza as condições de trabalho), além da aprovação da convenção 158 da OIT (que inibe dispensa imotivada)
  • Fim das metas abusivas e assédio moral: a categoria é submetida a uma pressão abusiva por cumprimento de metas, que tem provocado alto índice de adoecimento dos bancários
  • Mais segurança nas agências bancárias, com a proibição do porte de chaves de cofres e agências por bancários
  • Igualdade de oportunidades, com contratação de pelo menos 20% de trabalhadores afro-descendentes

(Com Valor)