Bancários rejeitam terceira proposta de reajuste e greve continua

Bancários rejeitam terceira proposta de reajuste e greve continua

greve greve 1Os bancários não alteraram a pauta de reivindicação e pedem reajuste de 16%, que inclui aumento real de 5,6%, além de outros benefícios

A terceira proposta de reajuste, de 8,75%, feita pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) nesta quarta (21) foi rejeitada pelo comando nacional dos bancários, que negocia em nome dos 512 mil bancários do país.

Uma nova tentativa de acordo para pôr fim ao movimento, que completa 17 dias nesta quinta (22), deve ser feita na reunião prevista para esta quinta, às 14h.

Segundo o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região, o reajuste de 8,75% não é suficiente porque não repõe a inflação acumulada nos últimos 12 meses (pelo INPC, 9,88%) e representa perda salarial de 1,03%.

“A greve está forte e a expectativa dos bancários é por uma proposta melhor”, disse Juvandia Moreira, presidente do sindicato.

De acordo com a sindicalista, a paralisação atinge 745 locais de trabalho -sendo 28 centros administrativos e 717 agências com adesão de 55 mil trabalhadores. O sindicato representa 142 mil funcionários em São Paulo, Osasco e região.

Os bancários não alteraram a pauta de reivindicação e pedem reajuste de 16%, que inclui aumento real de 5,6%, além de outros benefícios.

A categoria recebeu aumento real de 20,07% no período entre 2004 e 2014. No ano passado, foram 2,02% acima da inflação.

Desde o dia 25 de setembro, os bancos apresentaram três propostas. A primeira previa reajuste de 5,5%, com abono de R$ 2.500. Na segunda oferta, feita dia 20, apresentaram correção de 7,5% aos salários, sem abono. E nesta quarta (21), houve proposta de reajuste de 8,75% também sem abono.

Em nota, a federação dos bancos afirmou que “apresentou hoje para representações dos bancários uma nova proposta de reajuste, de 8,75%, aplicáveis aos salários, benefícios e participação nos lucros, com o objetivo de alcançar um acordo satisfatório a ambas as partes em negociação”. A entidade não divulga a adesão à greve.

 

CAMPANHA SALARIAL

Os bancários, com data-base em setembro, entregaram a pauta de reivindicações no dia 11 de agosto.

Entre as principais reivindicações da campanha deste ano pedem

> Reajuste Salarial de 16%, sendo 5,6% de aumento real, com inflação de 9,88% (INPC)

> Participação nos Lucros e Resultados no valor de três salários mais R$ 7.246,82 fixos

> Piso de acordo com salário mínimo do Dieese, de R$ 3.299,66

> Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá no valor do salário mínimo nacional (R$ 788);

> 14º salário

> Fim das demissões, ampliação das contratações, combate às terceirizações e à precarização das condições de trabalho

Mais segurança nas agências bancárias.

JC Online