Banco Mundial manipulou seu ranking de competitividade por anos

O edifício compartilhado pelo FMI e o Banco Mundial, em ParisGoogle Street View

O Banco Mundial modificou a metodologia de 1 de seus relatórios mais importantes de maneira a intencionalmente distorcer os resultados, informa o Wall Street Journal (restrito a assinantes). O ranking de competitividade empresarial divulgado no relatório “Doing Business” teria sido manipulado dessa forma durante vários anos.

Uma das iniciativas de maior destaque do Banco Mundial, o ranking elenca países de acordo com a competitividade de seu ambiente de negócios. Uma posição mais alta indica ambiente mais favorável.

Segundo o economista-chefe da instituição, Paul Romer, o Chile foi 1 dos maiores prejudicados. De acordo com Romer, a queda de posição do país no ranking desde o início do governo de Michelle Bachelet se deve à adição de novas métricas no cálculo do indicador, e não a mudanças reais no ambiente de negócios. O economista sustenta que as revisões na metodologia tiveram motivação política.

Ainda segundo Romer, o banco vai revisar e corrigir os resultados do relatório nos últimos 4 anos.

OUTRO LADO

Wall Street Journal também entrou em contato com Augusto Lopez-Claros, ex-diretor da equipe responsável pelo relatório, que defendeu as mudanças no ranking de competitividade.

O antigo diretor diz que as atualizações foram feitas “após revisão extensiva, e o banco se deu ao trabalho de anunciar as mudanças às autoridades dos países-membros”, adicionando que “todo o processo foi realizado em um contexto de transparência e abertura”.

Atualmente, Lopez-Claros leciona na Georgetown University e está em processo de saída do Banco Mundial.

Poder360