Ronaldo Barbosa diverge de pensamento petista para eleição 2016

Barbosa diz que participação do PSB no governo de Cartaxo não define apoio em 2016; ‘tem que pensar também 2018’

ronaldo Barbosa declaraçãoO presidente do PSB de João Pessoa, Ronaldo Barbosa, minimizou em entrevista ao Sistema Arapuan de Comunicação, nesta sexta (9), as declarações do vereador Renato Martins sobre a aliança entre PT e PSB e destacou que o partido ocupar ou não cargos no governo do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT), não vai definir o apoio em 2016.

Para Barbosa, como presidente do partido ele tem que respeitar as opiniões dos membros e garantiu que a decisão se o PSB vai participar do governo de Cartaxo vai ser tomada até o dia 28 de janeiro.

“O partido vai discutir, começamos com a reunião da executiva na terça (13) e depois do diretório dia 28 de janeiro. Até lá é normal se conversar à vontade”, diz.

Barbosa também afirmou que não é natural a participação do PSB na administração petista, pois ‘política não é assim’. Ele apontou que existem posições diferentes no partido e ele como presidente precisa respeitar. “Normal são essas posições diferentes, mas o partido saberá caminhar de forma unificada”, diz.

“No argumento de Renato, pode ou não estar (no governo) se a gente discute apenas a participação no governo A, B ou C é muito pouco. Não é só participação, discutir política é na globalidade senão fica apenas a aliança eleitoral. É preciso compreender as questões mais a fundo. Outra coisa mais profundamente não envolve só a questão eleitoral, mas de gestão e de um projeto ideológico”, diz.

Questionado a respeito da durabilidade da aliança, Barbosa destacou que se pensar em 2016, é preciso avaliar 2018. “Vamos avaliar, a participação ou não do governo Cartaxo e Ricardo não significa necessariamente que abrirá as portas de 2016. Essas coisas tem que ser muito bem discutidas no partido. Se quiser tomar qualquer decisão vai ter que ser em cima de coisa mais concreta que a população saiba claramente o objetivo da participação no governo de Cartaxo”, conta.

O presidente não minimiza a participação do PT em relação a eleição de Ricardo, conforme afirmou o vereador Benilton Lucena (PT) nesta quinta (8), mas destacou que o vereador sabe que “política não se faz nessa reciprocidade, mas em fatos concretos” e completa explicando que a aliança tem que levar em consideração o processo histórico e a eleição de 2016 e 2018, não só a municipal.

Marília Domingues / Anderson Soares