Batalahão de Missões Especiais apresenta traje “robocope” para dispensar manifestações no Espírito Santo

RobocopeO governo do Estado do Espírito Santa adquiriu 600 trajes antitumulto, novos escudos, capacetes à prova de balas, mil câmeras para videomonitoramento além de uma viatura blindada. O investimento total ultrapassa R$ 2 milhões. Confira a nova “armadura” com detalhes no vídeo:

O traje, que já foi batizado de “robocop”, é composto por uma proteção peitoral, um capacete com viseira e proteções para as pernas e braços, todas elas peças individuais que podem ser destacadas, além de uma máscara que inibe a inalação de gases nocivos. Mas, apesar de toda proteção contra impacto e perfuração, o equipamento – além do capacete e viseira – não é a prova de balas. Portanto o policial deve utilizá-lo em conjunto com um colete balístico.
De acordo com o comandante do Batalhão de Missões Especiais (BME), tenente-coronel Alexandre Ramalho, o traje será utilizado na contenção de protestos violentos. O comandante disse que nenhum agente do batalhão foi ferido nesse tipo de operação, mas que são alvos constantes dos manifestantes. “Esse equipamento serve para proteger o policial, que é alvo de pedras, rojões e coquetéis molotov”.
Identificação
Apesar de proteger integralmente o policial contra esse tipo de ameaça, o traje dificulta a identificação do agente, o que – segundo o comandante – não é interesse da corporação. “Nós ainda vamos desenvolver um sistema de identificação para esse traje, já que, mesmo no peitoral, não há local para fixar a tarja de identificação. Talvez isso aconteça por um sistema de números, mas não é nosso objetivo não identificar o policial em uma possível situação de abuso”, explica.
De acordo com tenente-coronel, a Polícia Militar também receberá equipamento semelhante, mas de menor proporção, também para lidar com situações de manifestação. “Identificamos a necessidade de um equipamento de proteção individual nos protestos de 2013”, diz o comandante.

Fonte: Da Redação Multimídia

PUBLICIDADE