João Pessoa 18/02/2019

Início » Economia » BC: cenário para inflação é confortável, mas depende de reformas

BC: cenário para inflação é confortável, mas depende de reformas

Informação é da ata do Copom Comitê não indicou próximos passos

O Banco Central preferiu não indicar tendências na condução da política monetária

Os membros do Copom (Comitê de Política Monetária) do BC (Banco Central) avaliam que o cenário para inflação é confortável e indica convergência para as metas estabelecidas para 2019 e 2020.

O colegiado acredita que desde a reunião de dezembro houve arrefecimento dos fatores que podem levar a uma alta na trajetória de inflação, “especialmente quanto ao cenário externo”. Acrescentou, no entanto, que os riscos de alta permanecem com maior peso do que os de baixa.

As informações constam na ata (íntegra) da última reunião, divulgada nesta 3ª feira (12.fev.2019). Na semana passada, o BC manteve a taxa básica de juros da economia brasileira em 6,5% ao ano, mínimo patamar histórico.

INFLAÇÃO DENTRO DA META

As projeções do BC para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do país, em 2019 e 2020 estão dentro das metas estabelecidas pelo CMN (Conselho Monetário Nacional).

Para este ano, a meta é de 4,25% com 1,5 ponto percentual de tolerância para baixo (2,75%) ou para cima (5,75%). Para o ano que vem, é de 4%, com a mesma margem de tolerância.

O Copom voltou a destacar que a consolidação desse cenário no médio e longo prazos “depende do andamento das reformas e ajustes necessários na economia brasileira”.

Considerando os preços administrados, como energia elétrica e combustíveis, o BC manteve as projeções no mesmo nível para este ano e subiu as expectativas para 2020.

Eis as projeções para inflação:

  • cenário Focus (considerou juros em 6,5% a.a. em 2019 e 8% a.a. em 2020; e dólar em R$ 3,70 em 2019 e R$ 3,75 em 2020):
    • inflação geral – mantida em 3,9% para 2019 (abaixo do centro da meta) e de 3,6% na ata anterior para 3,8% em 2020 (abaixo do centro da meta);
    • preços administrados – mantida em 5,1% para 2019 e de 3,9% para 4,7% em 2020.
  • cenário constante (considerou juros em 6,5% a.a. e dólar em R$ 3,70):
    • inflação geral – de 4% na ata anterior para 3,9% em 2019 (abaixo do centro da meta) e mantida em 4% para 2020 (centro da meta).
    • preços administrados – de 5,2% na ata anterior para 5,1% em 2019 e de 4% para 4,5% em 2020.

DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA GLOBAL É RISCO IMPORTANTE

O colegiado colocou que o cenário internacional permanece desafiador, “mas com alguma redução e alteração do perfil de riscos”.

Os diretores acreditam que a possibilidade de desaceleração da economia norte-americana já afetou o mercado, mas que ainda há dúvidas em relação à consolidação desse cenário. Isso porque existe também a chance de “continuidade do vigor exibido pela economia americana”.

“Esses 2 cenários têm implicações opostas para o rumo da política monetária do Fed [BC dos EUA]. Os membros do Copom concluíram que, ao menos até a definição de qual dos cenários é o mais provável, os riscos associados à normalização da política monetária nos EUA se reduziram”, diz a ata.

Além disso, afirmaram que “diante do arrefecimento da atividade em economias relevantes”, os riscos associados a uma desaceleração da economia global se intensificaram.

O colegiado apontou incertezas também relacionadas à expansão do comércio internacional e ao Brexit. Nesse contexto, destacaram “a capacidade que a economia brasileira apresenta de absorver revés no cenário internacional”.

SEM INDICAÇÃO DOS PRÓXIMOS PASSOS

De acordo com a ata, todos os membros do Copom concordaram que a conjuntura atual recomenda “maior flexibilidade para condução da política monetária”. Por isso, o colegiado preferiu não fornecer informações sobre as tendências nas definição da taxa básica de juros nas próximas reuniões.

O BC concluiu que a melhor forma de manter a trajetória da inflação em direção às metas é atuar “com cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária, inclusive diante de cenários voláteis”.

Poder360