João Pessoa 20/05/2019

Início » Variedades » Bebida alcoólica adulterada mata 93 pessoas na Índia

Bebida alcoólica adulterada mata 93 pessoas na Índia

Paciente recebe atendimento em hospital do distrito de Golaghat, nordeste da Índia, em 23 de fevereiro de 2019

Noventa e três pessoas morreram e pelo menos 200 foram hospitalizadas na região nordeste da Índia depois que consumiram bebida alcoólica adulterada, anunciaram as autoridades neste sábado, menos de duas semanas depois de um caso idêntico que provocou 99 vítimas fatais no norte do país.

“O número de mortos (no distrito de Golaghat) subiu para 58 e 75 pessoas estão sob tratamento em hospitais”, afirmou à AFP Dhiren Hazarika, funcionário do distrito do estado de Assam.

No distrito vizinho de Jorhat, as autoridades anunciaram 35 mortes pelo consumo de bebida adulterada.

Muitas vítimas, incluindo várias mulheres, trabalhavam em plantações de chá da região.

“As pessoas chegaram ao hospital com fortes vômitos, sem ar e com dores intensas no peito”, afirmou à AFP o médico Ratul Bordoloi, subsecretário de Saúde de Golaghat.

O governador do estado de Assam, Sarbananda Sonowal, ordenou uma investigação. A polícia anunciou as detenções de um homem que vendia álcool adulterado e de dois fiscais do distrito por não tomaram as medidas adequadas antes da comercialização da bebida.

No início do mês, 99 pessoas morreram vítimas bebida alcoólica adulterada e muitas vítimas foram hospitalizadas em uma região entre os estados de Uttar Pradesh e Uttarakhand (norte), a 150 km da capital Nova Delhi. A polícia iniciou na ocasião uma grande operação contra as destilarias clandestinas.

Centenas de indianos pobres morrem a cada ano vítimas do consumo de bebidas adulteradas. Os contrabandistas adicionam com frequência metanol – um composto muito tóxico às vezes utilizado como anticongelante – em sua mistura.

Dos 5 bilhões de litros de bebidas alcoólicas consumidas por ano na Índia quase 40% são produzidos ilegalmente, segundo a International Spirits and Wine Association of India.

AFP