Bingo em João Pessoa era registrado como ‘confederação de canoagem’ no CNPJ

Confederação Brasileira de Canoagem’ era o nome no registro do CNPJ de bingo fechado em João Pessoa (Foto: Walter Paparazzo/G1/Arquivo)

O bingo no Centro de João Pessoa que foi fechado na sexta-feira (1º) e 60 pessoas foram levadas à delegacia para depor, tinha alvará de funcionamento da prefeitura e utilizava o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) de uma confederação de canoagem. De acordo com o delegado Lucas Sá, responsável pela “Operação Lotos”, o bindo movimentava pelo menos R$ 100 mil por mês.

O CNPJ da casa de exploração de jogo de azar foi emitido em 30 de dezembro de 2010, com o nome de “CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CANOAGEM”, onde sua principal atividade econômica seriam atividades esportivas. “Quinze funcionários foram ouvidos e nunca houve um evento de canoagem no local, nem foto, apenas bingo”, disse o delegado.

Alvará de funcionamento foi autorizado em dezembro de 2010 (Foto: Lucas Sá/DDF)Alvará de funcionamento foi autorizado em dezembro de 2010 (Foto: Lucas Sá/DDF)

Alvará de funcionamento foi autorizado em dezembro de 2010 (Foto: Lucas Sá/DDF)

Lucas Sá disse que o bingo funcionava no local há um ano e três meses e que o faturamento diário do bingo era de R$ 2 mil quando o “movimento era baixo”, mas que nos fins de semana o faturamento alcançava R$ 7 mil.

Segundo ele, “um dos ‘donos’ do cassino do Centro já foi identificado” e que ele já foi preso várias vezes. Durante esta semana os objetos e equipamentos apreendidos no bingo do Centro e em Tambaú vão ser analisados.

 O mandado de busca cumprido no Ernani Sátiro foi frustrado pois o bingo já havia sido mudado de local e nada foi encontrado.

Faturamento médio mensal do bingo no Centro de João Pessoa era de mais de R$ 100 mil, diz polícia (Foto: Lucas Sá/DDF)Faturamento médio mensal do bingo no Centro de João Pessoa era de mais de R$ 100 mil, diz polícia (Foto: Lucas Sá/DDF)

Faturamento médio mensal do bingo no Centro de João Pessoa era de mais de R$ 100 mil, diz polícia (Foto: Lucas Sá/DDF)

Casa de poker

Perguntado sobre a legalidade das casas de poker, o delegado de defraudações e falsificações de João Pessoa disse que elas são permitidas, desde que o jogo não seja explorado.

“No caso do poker eles fizeram uma associação para dar uma ‘legalizada’. No entanto, a proprietária mesma disse que ficavam com 20% do faturamento como lucro e que teriam um grande prejuízo. O que prova que a ‘associação’ era uma fachada e que eles de fato exploravam a atividade”, informou Lucas Sá.

Mesmo assim, os responsáveis pela casa de poker, que fica no bairro Tambaú, vão responder “apenas” um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

Fichas da casa de poker em Tambaú também foram apreendidas (Foto: Lucas Sá/DDF)Fichas da casa de poker em Tambaú também foram apreendidas (Foto: Lucas Sá/DDF)

Fichas da casa de poker em Tambaú também foram apreendidas (Foto: Lucas Sá/DDF)

G1-PB