João Pessoa 21/05/2019

Início » Destaque » Bolsonaro admite ceder sobre idosos miseráveis e aposentadoria para mulher

Bolsonaro admite ceder sobre idosos miseráveis e aposentadoria para mulher

Presidente falou a jornalistas Mulheres: cairia para 60 anos

Da esquerda para a direita, da fileira de cima para a de baixo: Denis Rosenfield (articulista do Estadão), Ana Dubeux (Correio Braziliense), Cláudio Humberto (BandNewsFM), Heraldo Pereira (GloboNews), Mauro Tagliaferri (Rede TV), Sérgio Amaral (Band), Luis Kawaguti (UOL), Alexandre Garcia (ex-Globo), Sônia Blota (Band), Jair Bolsonaro, Hamilton Mourão, João Beltrão (TV Record), Monica Gugliano (Valor Econômico)Marcos Corrêa/Palácio do Planalto – 28.fev.2019

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta 5ª feira (28.fev.2019) que está disposto a negociar alguns pontos da proposta de reforma da Previdência enviada ao Congresso em 20 de fevereiro. Ele admitiu reduzir de 62 para 60 anos a idade mínima para aposentadoria das mulheres.

Esse é a 1ª fala em público do presidente sobre a possibilidade de mudanças no texto. Bolsonaro também disse que dá para cortar 1 pouco de gordura” das regras do BPC (Benefício de Prestação Continuada), pago a idosos e pessoas com deficiência física com renda inferior a 1/4 do salário mínimo.

Atualmente, o benefício, equivalente a 1 salário mínimo, é pago a idosos a partir de 65 anos. De acordo com a proposta, idosos só passariam a receber o salário mínimo ao completar 70 anos; por outro lado, a partir dos 60 anos, receberiam R$ 400 por mês.

“Eu acho que dá para cortar 1 pouco de gordura e chegar a 1 bom termo, o que não pode é continuar como está [o deficit na Previdência], disse.

As declarações foram feitas durante 1 café da manhã com 10 jornalistas, às 10h30, no Palácio do Planalto. Segundo o governo, por conta da limitação do espaço, a escolha sobre quem participaria do encontro, “recaiu sobre os profissionais e não sobre os veículos de comunicação”.

Participaram do café com Bolsonaro:

  • Alexandre Garcia (ex-Globo);
  • Heraldo Pereira (GloboNews);
  • João Beltrão (TV Record);
  • Mauro Tagliaferri (Rede TV!);
  • Sérgio Amaral (Band);
  • Cláudio Humberto (BandNews FM);
  • Denis Rosenfield (articulista do Estadão);
  • Luis Kawaguti (UOL);
  • Ana Dubeux (Correio Braziliense);
  • Sônia Blota (Band);
  • Monica Gugliano (Valor Econômico).

Não foram permitidas gravações no encontro. Segundo assessores, o evento foi 1 gesto de aproximação com a imprensa solicitado pelo próprio presidente.

Bolsonaro disse que pretende ter “mais contato com a imprensa profissional e se colocou à disposição”, segundo o jornalista Heraldo Pereira, do Grupo Globo.

Eis algumas fotos do encontro do presidente com jornalista:

SEM MUDAR A ALMA DA PROPOSTA

Apesar de se dizer disposto a negociar o texto, o presidente disse que a “alma” do projeto não pode ser modificada.

“Muita coisa vai ser atenuada aí, mas não vai desfigurar a alma da proposta. E tem que haver [a reforma]. Não queremos passar pelo que a Grécia passou, ou Portugal”, afirmou.

Para Bolsonaro, caso não seja feita uma reforma da Previdência, haverá muitas consequências negativas para o país, como alta do dólar, queda da Bolsa de Valores, suspensão de pagamento a servidores e enfraquecimento do governo.

“Há interesse de todo mundo em aprovar. O Brasil pode entrar em uma situação muito complicada”, disse.

NEGOCIAÇÃO COM O CONGRESSO

O presidente não quis falar sobre a base de apoio ao governo para aprovar a reforma no Congresso. Só disse que está sendo construída.

Bolsonaro declarou que tem resistido a negociar cargos no governo em troca de apoio –segundo, ele, não haverá “toma lá, dá cá”. Ele afirmou que tem se reunido com parlamentares e que, até agora, “só 2 ou 3” falaram em cargos, mas não deu nomes.

O mandatário relatou ter recebido 1 pedido de ministério. De acordo com o presidente, ele cortou a conversa e disse, em tom irônico, que ofereceria a pasta da Economia se o interlocutor encontrasse alguém mais capacitado que o ministro Paulo Guedes.

Poder360