Bolsonaro afirma que processará Boulos por chamá-lo de racista e corrupto

Bolsonaro afirma que processará Boulos por chamá-lo de racista e corrupto

Deputado Jair Bolsonaro ao ver as câmeras focadas nele faz gestos de metralhadora, durante entrevista coletiva após almoço com a Frente Parlamentar da Agricultura.Foto: Sérgio Lima/PODER 360

Jair Bolsonaro diz que processará Guilherme Boulos, por tê-lo chamado de racista e homofóbico

O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, disse nesta 2ª feira (13.ago.2018) que processará o adversário Guilherme Boulos, que concorre pelo Psol. Na última 5ª (9.ago), durante debate na TV Bandeirantes, Boulos afirmou que Bolsonaro era “racista e homofóbico”.

“Ele vai ser processado. Me chamou de racista”, falou Bolsonaro. A declaração foi feita em conversa com a imprensa. Momentos antes de falar sobre Boulos, Bolsonaro mostrou 1 vídeo em que 1 negro o chamava de nazista. O capitão na reserva do Exército falou que acionaria sua área jurídica para processar o autor do vídeo.

Ao Poder360, a assessoria de Guilherme Boulos reforçou as acusações do candidato do Psol. Eis a íntegra da manifestação:

De processo Bolsonaro entende: réu no STF, recordista de processos no Conselho de Ética da Câmara, está sempre enrolado. Por ter dito em abril de 2017 que “afrodescendentes” quilombolas “não fazem nada e nem para procriador (sic) eles servem mais” e que as reservas indígenas e quilombos atrapalham a economia do país foi condenado a pagar 50 mil reais de indenização por danos morais coletivos a comunidades quilombolas e à população negra em geral. Qualificá-lo como racista é o mínimo que os defendem a democracia e os direitos humanos devem fazer“.

MST

Pouco antes da conversa com jornalistas, Bolsonaro demonstrou preocupação com atos do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) em Brasília. Disse a 1 funcionário do gabinete: “O MST está vindo à Brasília, com possíveis ações violentas e 1 dos alvos seria eu. A minha vida muda”.

O militar negou que pediria reforço em sua segurança. Segundo ele, 4 policiais federais fazem sua segurança. A lei eleitoral permite que candidatos tenham segurança da PF.

CAMPANHA

Bolsonaro disse ainda ser contra reajuste de salários do Judiciário. Falou que metade de seus ministros estão “certos” e desconversou quando perguntado sobre a indicação de mulheres para ministérios. Também disse que não há nada acertado para indicar o empresário Flavio Rocha para o ministério da Indústria caso seja eleito.

Para o debate desta 6ª, ele pretende manter a estratégia do último debate. “Não pretendo me engalfinhar”, afirmou.

Também disse que faltam 3 Estados para visitar: Acre, Rondônia e Amapá. Visitará os 2 primeiros na semana que vem. Também afirmou que gasta no máximo R$ 6 mil mensais com sua campanha e minimizou a importância de ter 1 marqueteiro político para realizar a gravação de sua propaganda eleitoral.

Eis alguns dos tópicos comentados pelo candidato do PSL em entrevista à imprensa:

  • reforma da Previdência – plano de governo menciona necessidade de reforma, mas não traz pontos.
  • debate de 6ª – “A princípio, vou participar, mas não pretendo me engalfinhar“.
  • Flavio Rocha – “Nem eu declarei apoio a mim, nem eu disse que ele seria ministro. É uma área dele. Tem empresas dele que ele está levando para o Paraguai. Sorrimos, demos abraços, nunca tivemos problemas. Mas pergunta para ele se ele vai apoiar Geraldo Alckmin ou outro“.
  • cabo Daciolo no debate – “Comportou-se como se comporta na Câmara. Não estou preocupado com isso“.
  • Esplanada – “Já tenho metade, mais ou menos, mais do que acertado. Um terço é militar. Não querem que divulgue porque podem sofrer represálias. Devo divulgar só depois de eleito“.
  • equipe econômica – “Não é todo mundo que está com Temer que está errado. Mas falando do quadro técnico, não político“.
  • reajuste do Judiciário – “Acho que vai chegar aqui depois das eleições. Servidor do Judiciário é o mais bem aquinhoado. Extrapola o limite do teto. Se quiser conceder reajuste para servidor, vamos conceder para quem ganhar menos. Buscar uma isonomia. Voto contra. Não tem dinheiro mais“.
  • palanques de políticos de Centrão – “Não posso exigir nada. Sou o primo paupérrimo. Sou o patinho horroroso. Estamos sozinhos nesses 4 anos de andanças pelo país“.
  • gastos de campanha – “Durmo na casa de amigos. Quando alguém paga 1 hotel, é duas estrelas. Se vir o que gasto R$ 6 mil por mês é muito. Vocês estão preocupados com isso?
  • propaganda eleitoral e marqueteiro – “Para 15 segundos precisa ter marqueteiro? Vou por alguém para me gravar. Quinze segundos dão 1 recado legal. Tomo uma Maracujina, gravo na hora. O que vou mostrar? Na internet, milhares de pessoas trabalham para mim“.
  • desempenho nas pesquisas eleitorais – “Ninguém iria inflar meus números. Então tenho o mínimo que tenho ali”.
  • mulheres na Esplanada – “Quero que tenha 15 homens, 15 mulheres, 15 gays, quem dar conta do recado”.
  • apoio a nome do Centrão à Presidência da Câmara – “Lógico que 1 presidente gostaria de 1 aliado aqui. Mas não sei a bancada que devo ter”.
  • vice General Mourão – “Claro que ele vai aparecer [na campanha e compromissos]. Tenho orgulho de o ter escolhido”.
  • militares – “Chega de terceirizar militar para tudo. Todos os presidente utilizaram militares desde matar mosquito até combater violência no Rio. GLO vai continuar desde que o pessoal [do Congresso] dê retaguarda para nós”.
  • Poder360