João Pessoa 17/12/2018

Início » Destaque » Bolsonaro empodera o DEM e embaralha disputa na Câmara

Bolsonaro empodera o DEM e embaralha disputa na Câmara

Partido do Centrão emplaca três representantes na Esplanada e ganha protagonismo não visto desde governo FHC. Investigado por fraude, Luiz Mandetta é escolhido para o Ministério da Saúde

Há 20 anos, o PFL, partido que se transformou no DEM, era um dos mais poderosos do país. Tinha 105 deputados federais eleitos, a vice-presidência da República, quatro ministros e o comando do Senado Federal. O presidente da ocasião era Fernando Henrique Cardoso (PSDB), um parceiro dos então pefelistas por quase uma década. Agora, o presidente que foi eleito por uma legenda inexpressiva e prometendo se descolar dos partidos políticos tradicionais, Jair Bolsonaro (PSL), volta a conferir um protagonismo ao DEM, que elegeu apenas 29 deputados. Nesta terça-feira, Bolsonaro indicou o seu terceiro ministro filiado ao partido. Luiz Henrique Mandetta, deputado federal por Mato Grosso do Sul, comandará a pasta de Saúde. Com a escolha, Bolsonaro interfere indiretamente na disputa pela presidência da Câmara dos Deputados, em que o atual presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tenta a reeleição.

Ao todo, foram indicados dez novos ministros. Os únicos que possuem alguma filiação partidária são do DEM: Madetta, Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Tereza Cristina (Agricultura). A presença dos democratas na Esplanada dos Ministérios não é tão intensa nem no atual Governo, cujo o presidente Michel Temer é oficialmente apoiado pelo partido membro da coalizão que deu suporte ao impeachment de Dilma Rousseff em 2016. Dos 29 ministérios existentes, o DEM só ocupou um, o da Educação.

Com exceção de Lorenzoni, que é considerado da cota pessoal do presidente eleito, os outros tiveram seus nomes sugeridos por frentes parlamentares que atuam nas áreas específicas. Além disso, Mandetta, que é médico ortopedista, foi um dos consultores de Bolsonaro na pré-campanha. “Eu o ajudei quando ele precisou com orientações sobre a saúde. E, apesar de não estar na coligação dele, eu votei no Bolsonaro, é claro”, disse o futuro ministro ao EL PAÍS. Tereza, por sua vez, é a presidente da Frente Parlamentar Agropecuária. Na reta final do período eleitoral, ela posou para fotos ao lado do então presidenciável declarando apoio a ele. Oficialmente, nesta eleição, o DEM esteve na coligação de Geraldo Alckmin (PSDB), que acabou na quarta colocação, em articulação com a reformulação do chamado Centrão.

Quando indagado se estaria havendo um loteamento de cargos para beneficiar o DEM, Bolsonaro disse que era coincidência os três serem do mesmo partido. “O Onyx Lorenzoni sempre esteve comigo muito antes do primeiro turno. A Tereza Cristina é do DEM, mas foi indicação da bancada da agricultura. O Mandetta também. Parlamentares dos mais variados partidos indicaram ele (sic). Por coincidência, pertence ao DEM. Nada a ver no tocante a partido. Não são indicações para atender interesses político-partidários, e sim interesses especificamente dessas áreas de saúde e agricultura”, afirmou o futuro mandatário.

Na avaliação do professor e cientista político Humberto Dantas, doutor pela Universidade de São Paulo (USP), não deveria haver estranheza nesta aproximação de Bolsonaro com o DEM. “O Bolsonaro se ancora no DEM porque o DEM pensa como o Bolsonaro em boa parte dos casos. Não é um partido tão estranho para o universo político que o Bolsonaro orbita”, afirma o professor. Em 2005, quando a sigla ainda era PFL, Bolsonaro esteve em suas fileiras por alguns meses. Foi um dos oito partidos ao qual esteve filiado em sua carreira política de quase três décadas.

O jogo pelo comando da Câmara

O primeiro reflexo dessa presença maciça de membros do DEM no Executivo pode ser vista na Câmara dos Deputados. O candidato à reeleição Rodrigo Maia (DEM-RJ) esperava ter o apoio, ainda que indireto, do grupo de Bolsonaro para a reeleição. Mas os sinais que veem do quartel-general da transição de Governo são pouco claros ou até desanimadores para Maia: na semana passada, por exemplo, Bolsonaro disse que não interferiria na disputa pelo comando da Câmara, mas pontuou que “existem outros candidatos muito bons”.

Por conta da interlocução que possui com várias legendas, inclusive de oposição, Maia, por ora, segue favorito ao cargo. Porém, sem esse aval de Bolsonaro, os votos dos aliados do capitão reformado do Exército podem se diluir entre outros cinco postulantes, João Campos (PRB-GO), Alceu Moreira (MDB-RS), Luciano Bivar (PSL-PE), Delegado Waldir (PSL-GO) e Capitão Augusto (PR-SP). Outros nomes que já se colocaram na disputa são: Fernando Giacobo (PR-PR), Fábio Ramalho (MDB-MG) e João Henrique Caldas (PSB-AL). Uma frente de esquerda, formada por PSB, REDE, PCdoB, PDT, PSOL e PT ainda pode lançar um nome, mas com reduzidas chances de sucesso.

A indicação de Mandetta cria um problema adicional para os planos de Maia. O grupo de partidos de centro-direita que dá sustentação ao presidente da Câmara, o chamado Centrão, já começou a se queixar do que considera o tamanho desproporcional dado ao DEM na Esplanada dos Ministérios. Partidos como o PR e o PP, que têm muitos deputados simpáticos a Bolsonaro, consideram que um político de outra legenda deveria ser eleito para a presidência da Casa, para evitar uma excessiva concentração de poder nos quadros dos democratas. O próprio Maia fez queixas reservadas às nomeações de três deputados do seu partido para o governo, por considerar que isso atrapalha sua campanha pela chefia da Câmara.

Discurso X prática

Com a nomeação de Mandetta, Bolsonaro também joga por terra a sua meta de campanha de que seria intolerante com a corrupção. O deputado é investigado pelos crimes de tráfico de influência e fraude à lei das licitações. Os delitos teriam ocorrido no período em que foi secretário municipal de Saúde de Campo Grande (MS).

Os outros dois indicados pelo DEM também são alvo de denúncias. Tereza Cristina é suspeita de conceder incentivos fiscais à JBS de maneira irregular quando foi secretária da Agricultura em Mato Grosso do Sul. Ambos negam os crimes. Já Lorenzoni admitiu que recebeu recursos de caixa dois da JBS em 2014, mas o inquérito contra ele foi arquivado.

Sempre que questionado sobre o envolvimento desses seus subordinados, Bolsonaro diz que confia neles. No domingo passado, por exemplo, afirmou que Tereza goza de toda a sua confiança. “Eu também sou réu no Supremo. Tenho que renunciar? Ela já foi julgada? É apenas um processo representado, [assim] como já fui representado umas 30 vezes na Câmara e não colou nenhuma”, afirmou à Agência Brasil.

ElPaís