João Pessoa 24/05/2019

Início » Notícias » Bolsonaro pediu a Onyx para negociar acordo com Bebianno

Bolsonaro pediu a Onyx para negociar acordo com Bebianno

Gustavo Bebianno (esq.) e Onyx Lorenzoni no CCBB, na época de transição de governo

O presidente Jair Bolsonaro pediu, em sigilo, ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que negociasse uma espécie de armistício com o ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, para que ele não divulgasse documentos ou atacasse mais o militar.

O pedido teria sido feito nesta 4ª feira (20.fev.2019), por volta de 16h50. A informação foi divulgada pelo Globo. Segundo o jornal, o ministro da Casa Civil ligou aparentemente sem querer para 1 jornalista do veículo enquanto estava reunido com o presidente.

Bebianno foi demitido na última 2ª feira (18.fev), depois de ter se envolvido em uma guerra de versões sobre conversas com o presidente enquanto o capitão reformado do Exército estava internado no hospital Albert Einstein.

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente, afirmou que o ex-ministro havia mentido sobre as conversas. Nesta 3ª (19.fev), sinalizando que não havia mentido, o próprio Bebianno vazou as conversas em áudios que foram divulgados na imprensa pelo jornalista Augusto Nunes, colunista da revista Veja e apresentador da rádio Jovem Pan.

De acordo com O Globo, na conversa, Bolsonaro mostrou-se preocupado com o fato de que ainda era representado em processos judiciais por Bebianno, que é advogado por formação.

Onyx disse a Bolsonaro que teria uma conversa reservada com Bebianno ainda nesta tarde e prometeu “acertar” a questão.

“Você vai conversar com ele sobre as ações?”, perguntou Bolsonaro. Após Onyx confirmar que iria abordar o assunto na conversa, o presidente disse: “Se ele[Bebianno] me cobrar individualmente o mínimo, eu to fudido. Tem que vender uma casa minha para poder pagar”.

Na conversa, Onyx também falou ao presidente sobre contatos que teve com o ex-ministro, por meio de intermediários, após o jornal Folha de S.Paulo publicar reportagem nesta 4ª feira sobre a suposta intenção de Bebianno de divulgar documentos sobre a campanha de Bolsonaro e o período em que ficou no governo.

Sobre a questão, Onyx disse ao presidente que Bebianno teria “dado a palavra”de que não faria mais declarações sobre a polêmica envolvendo Carlos Bolsonaro e a troca de mensagens dele com o presidente.

“A Folha deu uma nota e o Antagonista acabou de reproduzir e ele[Bebianno] acabou de ligar e pediu para tirar. Que é o seguinte: que ele estava preparando documentos e não sei o quê para atacar. Ele disse ao Jorge[possivelmente Jorge Oliveira, subchefe de Assuntos Jurídicos do Planalto]: ‘O que eu tinha para fazer, eu fiz ontem. Eu não dou mais nenhuma palavra, acabou tudo ontem. Eu to te dando a minha palavra. Ok?’ Então, agora, no fim da tarde, para tu saber, eu vou lá dar uma conversada com ele”, disse Onyx.

O site O Antagonista havia, de fato, replicado a notícia do jornal. Como Bebianno teria relatado a Onyx, mas retirou o conteúdo do ar.

Ao ser questionado sobre a conversa entre o presidente e Onyx, o ex-ministro Gustavo Bebianno disse que o presidente não deve nada a ele.

“O trabalho foi feito por acreditar na causa, ele [Bolsonaro] não deve nada pra mim e nem para os advogados que engajei”, disse o ex-ministro ao Globo.

Eis a íntegra da conversa entre Bolsonaro e Onyx:

Onyx: A Folha deu uma nota e o Antagonista acabou de reproduzir e ele (Bebianno) acabou de ligar e pediu para tirar. Que é o seguinte… Que ele estava preparando documentos e não sei o quê para atacar. Ele disse ao Jorge (possivelmente Jorge Oliveira, subchefe de Assuntos Jurídicos do Planalto): “o que eu tinha para fazer, eu fiz ontem. Eu não dou mais nenhuma palavra, acabou tudo ontem. Eu to te dando a minha palavra. Ok?” Então, agora, no fim da tarde, para tu saber, eu vou lá dar uma conversada com ele.

Bolsonaro: Você vai conversar com ele sobre as ações?

Onyx: Vou conversar com ele sobre as ações.

Bolsonaro: Se ele me cobrar individualmente o mínimo, eu tô fodido… Tem que vender uma casa minha para poder pagar.”

Poder360