Bolsonaro tentou alterar reforma para policiais, mas não ‘convenceu relator, Maia nem Marinho’, diz líder do PSL

Bolsonaro tentou alterar reforma para policiais, mas não ‘convenceu relator, Maia nem Marinho’, diz líder do PSL

Deputado Waldir Soares lembrou a importância de preservar economia de R$ 1 trilhão em dez anos

O líder do PSL na Câmara dos Deputados, delegado Waldir Soares (GO), confirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tentou intervir e atender ao pedido dos policiais civis e federais, que querem ser incluídos nas regras de aposentadoria especiais das Forças Armadas, mas não obteve sucesso. De acordo com o parlamentar, Bolsonaro não conseguiu convencer nem o relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira (PSDB-SP), nem o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de que essa seria uma boa decisão.

“Ontem o presidente [Bolsonaro] tentou intervir, mas isso é algo que precisa combinar com o relator, com o Rodrigo Maia, com o Paulo Guedes… Bolsonaro ligou para o relator [Samuel Moreira] e para o líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo (PSL-GO). Tentamos fazer a ponte, mas não existe convencimento do relator, nem de Maia e nem de Rogério Marinho[secretário especial da Previdência]”, declarou Soares em entrevista ao Jornal da Manhã nesta quarta-feira (3).

Ele também disse que, além de precisar convencer Moreira, Maia e Marinho, era preciso aprovação e convencimento da equipe econômica, que está em busca de manter a meta da economia de R$ 1 trilhão em dez anos com a reforma da Previdência, algo que é “extremamente importante para o país.” “O presidente pode pedir, mas sabemos o quão importante é essa economia”, afirmou.

Segundo Soares, neste momento, “se abrir exceção para uma categoria, abre para todos os demais”, e isso não pode acontecer. “Temos que ter um cuidado especial com a aposentadoria dessa categoria, é assim no mundo todo, mas não podemos tratar isso como privilégio e nem fugir do R$ 1 trilhão”, ressaltou.

Jovem Pan