Bolt ironiza erro dos EUA no 4x100m: fruto da ‘pressão e do pânico’.

AMERICANO MIKEO americano Mike Rodgers (de vermelho, à frente) recebe o bastão do colega Tyson Gay fora da área de passagem. À direita, Usain Bolt dispara para levar a Jamaica à vitória no 4.100mREUTERS/ – Fabrizio Bensch/Reuters

Maior rivalidade do atletismo mundial, o esperado confronto entre Jamaica e Estados Unidos no revezamento 4x100m aconteceu neste sábado com vitória dos caribenhos, liderados pelo Raio Usain Bolt, numa prova em que os americanos chegaram em segundo mas acabaram desclassificados por concluir a última passagem de bastão já fora da área permitida.

Para o líder do revezamento jamaicano, o erro dos adversários aconteceu porque eles não aguentaram a pressão para vencer a prova. Desde que Bolt passou a dominar as provas de velocidade, nas Olimpíadas de 2008, a Jamaica acumulou três título mundiais (quatro com o deste sábado) e dois olímpicos (2008 e 2012). Mas o time dos EUA retomou as esperanças porque, em maio deste ano, conseguiu bater os rivais no Mundial de Revezamentos, nas Bahamas. Para Bolt, os americanos, que lideravam a prova até o terceiro corredor, não suportaram a pressão.

– Os Estados Unidos sabem que nós tínhamos o melhor time. Eles tiveram pânico, a pressão foi para eles. É o que se chama de pressão – disse Bolt aos jornalistas depois da prova.

Com três medalhas de ouro no peito neste Mundial, o Raio disse que a rivalidade com os EUA, e entre ele e Justin Gatlin em particular, é boa para o esporte. Ainda na pista do Ninho do Pássaro, os jamaicanos festejaram a vitória com uma provocação: uma bandeira do país com a inscrição “Quem é mais rápido?” em inglês.

– A rivalidade é boa para o esporte. As pessoas gostam de ver os times se enfrentando, os atletas, então definitivamente é atrativo e bom para o esporte.

* O repórter viaja a convite da Iaaf
O Globo