Bruxelas enfrenta crise financeira depois dos atentados

Bruxelas enfrenta crise financeira depois dos atentados

BRUXELAS CRISEPolícia belga no bairro de Etterbeeck, perto de Bruxelas

A cidade de Bruxelas e seus arredores conhecem sua pior crise financeira desde o período pós-guerra, depois dos atentados ocorridos em 22 de março. A queda do faturamento das empresas já oscila entre -20% e -40%, de acordo com a Câmara de Comércio e da Indústria da cidade.

Desde os ataques, os turistas desapareceram da cidade e os belgas saem menos de casa. Os hotéis e restaurantes foram os setores mais afetados: a queda do número de clientes pode chegar a 50% no centro de Bruxelas. A expectativa é de que 10 mil vagas sejam fechadas, de acordo com a Câmara de Comércio e da Indústria.

Cerca de 31 mil pessoas já perderam o emprego. Antes mesmo dos ataques, algumas iniciativas já haviam prejudicado o comércio local. Entre elas, o chamado “lockdown” – uma série de medidas impostas em 15 de novembro em razão da ameaça terrorista.

Esse dispositivo, instaurado logo depois dos atentados de Paris, que logo levaram à descoberta de uma conexão do grupo Estado Islâmico na Bélgica, complicou o acesso ao centro da cidade, assim como o fechamento de algumas linhas de metrô.

Investidores deixam a cidade

Diversas organizações profissionais afirmam que os investidores estrangeiros, pouco a pouco, deixam a cidade, preocupados com a segurança. Diante da situação, o governo local faz o que pode. Os hotéis, por exemplo, estão isentos do pagamento de taxas durante seis meses. As autoridades também prometeram o desbloqueio de 400 000 € para melhorar a segurança de salas de espetáculos.

Em entrevista ao jornal Le Soir, o primeiro-ministro belga Charles Michel lançou um apelo à unidade nacional e anunciou o lançamento de uma campanha para a restauração da imagem positiva do país. O objetivo é convencer a opinião pública de que a economia do reino é sadia, que a segurança está assegurada e a coesão social forte o bastante para resistir à ameaça de atentados.

Estação de Maelbeek é reaberta

Na Bélgica, a estação de metrô de Maelbeek foi reaberta nesta manhã, depois de pouco mais de um mês dos ataques terroristas a Bruxelas. Além da estação, todo o sistema de metrô da capital belga volta a operar hoje nos horários normais, entre 5h30 e meia-noite e meia. 16 das 32 vítimas fatais dos ataques de Bruxelas morreram nesta estação, que fica em pleno bairro europeu da cidade, onde funcionam as instituições da União Europeia.

A estação foi reconstituída segundo o projeto original, sendo a única diferença visível a forte presença de militares armados. No sábado, cerca de 200 feridos e familiares visitaram a estação a convite do governo, onde deixaram mensagens lembrando as mortes.

RFI