deputados

Câmara começa o ano com 30 trocas de deputados; paraibano é uma das mudanças

andre-amaralEmbora o Congresso Nacional esteja em recesso parlamentar, a nova composição das prefeituras já provoca ao menos 30 mudanças na Câmara. Essas trocas vão alterar 11 bancadas estaduais. A mais afetada será a do Rio de Janeiro: com dez substituições entre os seus 46 deputados. Ao todo, 19 parlamentares renunciaram ao mandato na Casa nos últimos dias: 15 deles para assumir o cargo de prefeito e quatro para ocupar o gabinete de vice. Entre eles, o paraibano Manoel Júnior que assumiu o cargo de vice-prefeito em João Pessoa e deixou a titularidade da vaga para o suplente Andre Amaral, ambos do PMDB.

Mas a dança das cadeiras não se restringirá a essas 22 mudanças. É que alguns dos parlamentares efetivados já exerciam o mandato na condição de suplente. Com a renúncia dos colegas, eles foram efetivados, abrindo oito novas vagas para políticos que estavam na suplência. Outros três apenas se licenciaram para ocupar secretarias municipais e podem voltar ao Congresso quando quiserem.

As mudanças não chegam a alterar a correlação de forças na Câmara, pois nenhum partido será afetado drasticamente. No perde e ganha, o PMDB perdeu sete cadeiras, mas ganhou quatro. Já o PSDB fará caminho inverso: teve quatro baixas, mas terá seis reforços. Já o PT perdeu duas vagas e será compensado com a efetivação do suplente Wadih Damous, que exerceu o mandato durante boa parte do ano passado.

O resultado das eleições municipais de 2016 revelou o pior cenário, nas últimas duas décadas, para congressistas que disputaram prefeituras em todo o país. Desde os anos 1990 não era tão ruim o desempenho de deputados e senadores que tentaram a chefia do Executivo em suas respectivas cidades. Dos dois senadores e 83 deputados que registraram candidaturas, apenas 19 conseguiram algum êxito – dez foram eleitos ainda no primeiro turno, cinco venceram as disputas do segundo turno, e outros quatro foram eleitos vice-prefeitos. As únicas capitais que elegeram deputados para assumir as prefeituras foram o Rio de Janeiro e Porto Alegre, com Marcelo Crivella e Nelson Marchezan Junior.

Com informações do Congresso em Foco