Câmara de Bayeux ainda não tem posicionamento sobre cassação de Berg Lima

Berg foi preso na última quarta-feira quando suspeito de tentar extorquir um comerciante (Foto: Walla Santos)

O presidente da Câmara de Bayeux, Mauri Batista da Silva (Noquinha) disse que até terça-feira a Casa deve ter um posicionamento se vai ou não entrar com processo da cassação ao mandato de Berg Lima. O presidente disse que foi feita solicitação de informação via ofício ao Ministério Público e ao Tribunal de Justiça, para ter acesso a documentos e analisar se a Câmara vai tomar alguma posição. “Enquanto não chegar documento na Câmara a gente não pode se posicionar, não”, disse o vereador.

“A imagem a gente tem, mas tem que ver a documentação”, disse.

Já o vereador Jefferson Luiz Dantas (PSB) descartou a possibilidade de a Câmara antecipar o retorno do recesso parlamentar, que termina dia 1º de agosto, para realizar o julgamento administrativo do prefeito Berg Lima, preso em flagrante extorquindo um comerciante que fornecia ‘quentinhas’ para as unidades de saúde da cidade. “A Lei Orgânica não permite o retorno nesse caso”, disse.

De acordo com o socialista, o direito é bom, mas tem que seguir o rito legal para não ser derrubado judicialmente.

Jefferson informa que a Câmara continua aguardando o desfecho judicial e ter acesso aos documentos do Ministério Público e do Tribunal de Justiça para análise. “Se a documentação for aceita será instalada uma Comissão Processante que terá 60 dias para emitir um parecer”, informa.

Segundo o vereador, o relatório da Comissão será levado a plenário para que os vereadores se manifestem sobre a possibilidade de afastamento ou não do prefeito. “Nada pode ser feito à revelia”, disse o vereador ao lembrar que a Câmara funciona como um Tribunal de Justiça, mas julga apenas a conduta do prefeito e a incompatibilidade administrativa, e não criminal.

ClickPB