Câmara Municipal investiga denúncia contra parlamentar

A Câmara Municipal de Santo André, no Cariri paraibano, aprovou por cinco votos a zero o pedido de cassação de mandato contra o vereador João Batista Sales Norberto (PP), acusado de ter recebido propina no valor de R$ 3 mil durante as eleições de 2012 do então prefeito e candidato à reeleição, Fenelon Medeiros Filho, o Dr. Lonza (PSD). O vereador nega as acusações e afirma que a quantidade de cinco votos foi insuficiente para cassar um mandato.

A polêmica sobre o caso começou em 30 de agosto, quando os vereadores aprovaram a instalação de uma comissão de investigação para apurar as suspeitas de corrupção. De acordo com o presidente da Câmara, vereador Evandi Sales (PCdoB), a denúncia partiu de um eleitor. A comissão é formada por três vereadores: Antonino Rosendo (PHS) como presidente, Rivaldo Gonçalves de Lima (PSC) como relator e Neuza Costa Camilo (PHS).

De acordo com a denúncia, o vereador teria assinado dois recibos, sendo um de R$ 1 mil e outro no valor de R$ 2 mil relativos a pagamentos recebidos do então prefeito. Os recibos foram entregues à Justiça pelo próprio ex-prefeito, que se defendia de um processo movido contra ele por João Batista.

Em sua defesa, João Batista confirma que recebeu o dinheiro, mas alegou que o valor foi referente à venda de uma moto e garante que teria recibos para confirmar a transação. O vereador afirma ainda que está sendo alvo de perseguição por ser da bancada de oposição.

Votaram a favor da cassação de João Batista os vereadores: Nem de Miguel (PTdoB), Neusa (PHS) Pedro de Neguinho (DEM), Rivaldo Junior (PSC) e Seu Nino (PHS). Já os vereadores, Edgley Fidélis (PSB), Leandro (PSD) e Nandiara Medeiros (PSDB), além do próprio João Batista, não compareceram à sessão. Se a cassação for confirmada pela Justiça Eleitoral, a vaga deixada por João Batista deverá ficar com a suplente Dione Porto (PMDB).

 

Jornal da Paraíba