João Pessoa 25/05/2019

Início » Notícias » Carlos Ghosn paga fiança de R$ 33,8 milhões e deixa prisão em Tóquio

Carlos Ghosn paga fiança de R$ 33,8 milhões e deixa prisão em Tóquio

Estava preso há 108 dias - É acusado de fraude fiscal - Nega ter cometido os crimes

Carlos Ghosn era presidente do conselho e CEO da Renault

O executivo franco-brasileiro Carlos Ghosn, de 64 anos, ex-presidente da Nissan Motors deixou a prisão em Tóquio, no Japão, nesta 4ª feira (6.mar.2019). Ele pagou uma fiança de  US$ 8,9 milhões, o que equivale a R$ 33,8 milhões com a cotação do dólar da última 2ª feira (4.mar).

Ghosn estava preso há 108 dias e aguardará o julgamento em liberdade. A informação foi divulgada pela maior emissora de TV do Japão, a NHK.

Nas imagens, o executivo sai da prisão com o uniforme de presidiário, máscara e boné. Ele sai do prédio e entra em uma van. Vários jornalistas esperavam pela saída do executivo.

O julgamento de Ghosn ainda não tem data marcada, mas não deverá acontecer em menos de 6 meses. Até lá, o executivo ficará em Tóquio.

Pelos termos de fiança, Ghosn fica proibido de deixar o país e deve cumprir condições destinadas a impedi-lo de fugir ou destruir provas.

É suspeito de cometer fraudes fiscais e violar instrumentos legais da empresa. A pena foi agravada pela quebra de confiança por transferir inadequadamente os fundos da Nissan.

RENÚNCIA DA RENAULT

Carlos Ghosn renunciou à presidência da Renault no dia 24 de janeiro. Ele já havia deixado o comando das outras duas fabricantes da aliança, Nissan, da qual foi demitido, e Mitsubishi.

Considerado até então 1 executivo “superstar” do setor automotivo, Ghosn é acusado de violações e fraudes fiscais envolvendo a Nissan, bem como do uso de recursos da empresa para benefícios particulares e para cobrir prejuízos em investimentos pessoais.

Entre as acusações contra Ghosn, estão a omissão de R$ 167 milhões em salários da Nissan entre 2010 e 2015, repasse de dívida pessoal para as contas da fabricante e até compra e reforma de imóveis de luxo de uso próprio com verbas da empresa. Ele disse ser inocente das acusações.

Poder360