Segundo o senador tucano, a Paraíba vive uma crise de insegurança fruto da prepotência

Cássio C. Lima reúne oposição em João Pessoa e critica “gestão virtual” de Ricardo

cassio critica gestão de RcO senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) assumiu de vez o papel de líder da oposição na Paraíba ao comentar diversos temas sobre o início da segunda gestão do governador Ricardo Coutinho (PSB).  Segundo o senador tucano, a Paraíba vive uma crise de insegurança fruto da prepotência do gestor que administra o Estado na base do eu quero, eu posso, eu faço.

 

Em contato com a Redação do ClickPB o senador revelou que na reunião com os deputados estaduais neste início de tarde foram discutidos vários temas que diz respeito a Paraíba, como violência, saúde pública e a eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa para o biênio 2015-2017: “Pela primeira vez na história da Paraíba um governador quer patrocinar duas eleições em um único dia. Ricardo quer o poder legislativo submisso ao executivo e isso é ruim para democracia. Decidimos hoje que partiremos monoliticamente de forma responsável e já contamos com diversos partidos que firmaram o compromisso de caminharmos juntos pela manutenção do nome de Ricardo Marcelo (PEN) na presidência da Assembleia”.

 

O senador também comentou sobre matéria da Revista Veja que mostrou João Pessoa e Campina Grande como duas cidades mais violentas do mundo: Ninguém fica feliz como uma notícia como esta. Mas este governo insiste em vender um modelo virtual de segurança que não existe. A sensação de insegurança é clara e todos os dias a imprensa noticia dados assustadores sobre a insegurança que estamos vivenciando. Até o helicóptero que durante a eleição serviu de peça publicitária para impressionar, de repente some e fica por isso mesmo” alfinetou o senador paraibano.

 

Finalizando Cássio lembrou que seu projeto não logrou êxito durante a eleição devido a propaganda desproporcional patrocinada pela máquina pública que criou uma Paraíba que não existe nas estradas anunciadas, na falta de um política de saúde e na insegurança pública que se tornou crônica: “O governo venceu com o virtual, mas nos estamos unidos para mostrarmos as falhas e apontarmos as soluções nestes próximos quatro anos”.