CGU constata fraude bilionária no ‘Bolsa-pescador’

O chamado ´seguro-defeso´ – popularizado como ´bolsa pescador´ – foi transformado num ´cardume´ de fraudes.

Auditoria promovida pela CGU – Controladoria Geral da União (cuja nomenclatura oficial atual é o Ministério da Transparência) – atestou que dois a cada três beneficiários não teriam direito a receber o recurso pelas regras do programa.

Essa sangria provoca um prejuízo anual à ´viúva´ – que resvala para o bolso do contribuinte – da ordem de R$ 1 bilhão e 500 milhões.

Na expressão da CGU, o registro dos segurados “é ineficiente em nível intolerável para justificar a manutenção da política pública”.

O seguro-defeso paga um salário mínimo (R$ 937,00) a pescadores artesanais profissionais no período de proibição da pesca (quatro meses por ano), com a finalidade de proteger as espécies em períodos críticos, como o da reprodução.

Entre 2008 e 2015, houve um incremento de 92,4% da quantidade de beneficiários, ultrapassando a marca de 1 milhão de ´pescadores´.

Foto: CGU/ Divulgação

*Fonte: Coluna Aparte, com o jornalista Arimatéa Souza