Chile derrota Uruguai e é 1º semifinalista da Copa América

chile derrota ururguaiO Chile confirmou seu favoritismo e, em jogo nervoso, voltou à semifinal da Copa América após 16 anos. Na noite desta quarta-feira, a seleção anfitriã dominou a partida e bateu o Uruguai por 1 a 0, gol de Isla. A “Celeste” teve dois expulsos, Cavani e Fucile, e não conseguiu reagir diante da inferioridade numérica. Assim, o sonho do título inédito para a “Roja “segue vivo.

O Chile chegou às quartas de final após se classificar como líder do Grupo A, com a melhor campanha da primeira fase do torneio. A “Roja “vencido o Equador por 2 a 0, empatado com o México por 3 a 3 e goleado a Bolívia por 5 a 0. A Celeste, por sua vez, começou com triunfo por 1 a 0 sobre a Jamaica, depois sofreu derrota também pelo placar mínimo para a Argentina e classificou-se como 3º colocado do Grupo B após empate por 1 a 1 com o Paraguai.

Enquanto o Uruguai se despede da competição, o Chile volta a campo na segunda-feira, quando enfrenta o vencedor de Bolívia e Peru (jogo desta quinta) pela semifinal, novamente no Estádio Nacional.

Após uma blitz inicial celeste, o Chile envolveu o rival com toque de bola e dominou a primeira etapa. Apesar do bom momento uruguaio, os donos da casa começaram a acalmar o jogo aos poucos e, através da posse de bola, impor seu ritmo na partida. Com Valdivia responsável pela criação de jogadas, o Chile teve sua primeira oportunidade aos seis minutos, quando Isla recebeu do Mago e cruzou na área, encontrando Vargas, que concluiu mal e mandou por cima da meta.

Aos 16 minutos, após cometer sua segunda falta na partida, Valdivia recebeu cartão amarelo de Sandro Meira Ricci. Em meio ao domínio chileno, o Uruguai teve outra chance de marcar aos 20, quando Carlos Sánchez aproveitou saída errada da zaga anfitriã e arriscou chute de fora da área, mas mandou à direita da meta, sem levar muito perigo ao goleiro Bravo.

O momento da partida, no entanto, era todo do Chile, que conseguia encaixar suas trocas de passes e envolvia a defesa adversária. Aos 26 minutos, Vidal recebeu pelo lado direito, rolou para o meio da área e, após bom corta-luz de Valdivia, Aránguiz chutou rasteiro de primeira, mas parou em defesa segura de Muslera. Aos 28, enquanto ajudava na defesa, o atacante Cavani fez falta em Isla, reclamou com a arbitragem e acabou também levando cartão amarelo.

Ainda com mais posse de bola, os donos da casa diminuíram o ritmo na sequência, ousando menos nos passes e se resguardando contra o contragolpe uruguaio. Ainda assim, Vidal ameaçou a meta celeste aos 35 minutos, quando soltou uma bomba da intermediária e obrigou Muslera a fazer defesa desajeitada para impedir o tento. Fucile foi advertido na sequência, por fazer falta sem bola em Vargas. O próximo ‘amarelado’ foi Isla. O lateral direito deu entrada dura em Carlos Sánchez para impedir cruzamento na área, temido por causa da baixa estatura “roja”em relação à adversária.

A segunda etapa começou mais aberta. O Chile seguia tocando melhor a bola e passando mais tempo no campo de ataque, mas o Uruguai tinha boa saída em velocidade pelas pontas e, apostando também nos lançamentos à área de Bravo, ameaçou a meta dos anfitriões aos sete minutos, quando Rolán aproveitou cruzamento e, de frente para o gol, conseguiu desvio perigoso e parou em boa defesa do arqueiro adversário.

Os donos da casa, voltando a controlar cada vez mais a partida, esbarravam na forte marcação dos adversários em volta de sua área e tinham dificuldades para criar oportunidades agudas de gol. Cada vez mais tensa, a partida se complicou para o Uruguai aos 18 minutos. Após levar amarelo por reclamação no primeiro tempo, Cavani se desentendeu com Jara, deu um tapa no adversário, recebeu a segunda advertência de Sandro Meira Ricci e foi expulso de campo, deixando o Uruguai com um homem a menos.

Aproveitando o momento oportuno, Jorge Sampaoli deu sangue novo ao setor ofensivo chileno para aumentar a pressão sobre o fragilizado adversário. Aos 25 minutos, substituiu Marcelo Díaz e Eduardo Vargas por Matías Fernández e Pinilla. Conforme esperado, os donos da casa passaram a ter ainda mais volume de jogo e sufocar a zaga celeste. Ao passo que resistia à pressão, o Uruguai começou a ganhar confiança nos contra-ataques e quase marcou aos 31 minutos, quando Carlos Sánchez soltou uma bomba da entrada da área e, com Bravo só olhando, mandou a bola à direita da meta, errando por pouco.

A pressão chilena surtiu efeito pouco depois. Após confusão na área chilena, Muslera afastou de soco e Valdivia pegou o rebote. O meia rolou na meia-lua para Isla, que ajeitou e bateu com categoria para balançar a rede e colocar os anfitriões em vantagem. Precisando do gol, os uruguaios partiram para cima e ficaram ainda mais nervosos. Aos 42 minutos, Fucile deu carrinho perigoso no campo de ataque e recebeu o cartão amarelo, sendo expulso.

Indignados, os uruguaios reclamaram muito com a arbitragem na sequência, fazendo com que o jogo ficasse paralisado por mais quatro minutos. Valente, a Celeste tentou lançar a bola ao campo de ataque de qualquer maneira nos acréscimos, mas não conseguiu superar a defesa chilena e viu os donos da casda trocarem passes nos últimos minutos para confirmar a vitória.

(Com Gazeta Press)