Chile perdoa Vidal, Aránguiz brilha, seleção atropela a Bolívia e se classifica

chile vence mexicoVidal vacilou e sabe disso. Foi imprudente no episódio do acidente de carro na terça-feira. Mas em uma noite de festa no Estádio Nacional de Santiago, pelo última rodada do Grupo A, o jogador foi enfim ovacionado pela torcida do Chile, que manteve a “majestade” do seu rei, viu a Roja fazer uma bela exibição, garantir a vitória por 5 a 0, gols de Aránguiz (dois), Sánchez, Medel e Raldes (contra), sobre a Bolívia, e seguir ainda mais viva na busca pelo título inédito.

Desta forma, o Chile termina a primeira fase na liderança do Grupo A, e agora espera pelo melhor terceiro colocado. Além disso, segue apenas em Santiago enquanto estiver vivo no torneio. O próximo jogo será também no Nacional, na próxima quarta-feira. Já a Bolívia fica na segunda posição e vai para Temuco enfrentar o segundo colocado do Grupo C, o do Brasil, no dia seguinte.

  • COPA  AMERICA Chile x Equador (Foto:Rodrigo Arangua/AFP)
  • COPA  AMERICA Chile x Equador (Foto:Rodrigo Aranguana/AFP)
  • COPA  AMERICA Chile x Equador (Foto:Rodrigo Arangua/AFP)

Antes do jogo, toda a expectativa estava para ver como seria a recepção a Vidal, que se envolveu em um acidente automobilístico em seu momento de folga, e foi duramente criticado no país. A opinião popular estava bem dividida se perdoaria o craque ou não. Nos arredores do estádio, ao mesmo tempo camisas e bandeiras do jogador, mas também um muro que tem sua pintura tinha sido vandalizado. Quando o seu nome foi anunciado no Nacional, muitos aplausos. Pelo menos dentro de campo, tudo estava superado.

Nas quatro linhas, Jorge Sampaoli mexeu no time de novo. Voltou para o esquema com dois zagueiros, ao invés de três, e colocou Beausejour de lateral-esquerdo. Funcionou muito bem. No meio, Díaz dava sustentação, Aránguiz fazia bela partida, distribuía bem as bolas, e deixava Vidal, Sánchez, Vargas e Valdivia brilharem. Definitivamente, é a seleção mais legal de se ver na Copa América.

O rei Vidal jogou por 45 minutos (Foto: Rodrigo Arangua/AFP)

Como resultado, o Chile teve 68% de posse de bola no primeiro tempo, dominou, e não passou sufoco. E para aliviar ainda mais a barra de Vidal, o primeiro gol saiu cedo. Lá de trás, Medel arriscou o lançamento para Vargas. O ex-Grêmio não conseguiu dominar como queria, mas acabou ajeitando perfeitamente para Aránguiz, do Internacional, que marcou.

O Chile continuava dominando e criando oportunidades, apesar de chutar pouco. O gol acabou saindo a partir da genialidade de Sánchez. Arrancou pelo meio, viu Valdivia abrindo pela direita. O Mago cruzou de volta, mas não do jeito exato que queria. Mas o atacante do Arsenal se antecipou e acertou um potente peixinho. Quiñónez não alcançou.

O Mago também teve boa atuação no Nacional de Santiago (Foto:Martin Bernetti/AFP)

No segundo tempo, como já era programado, Sampaoli tirou Vidal, pois estava pendurado, e Sánchez, que sofria com dores na coxa direita. Sem os dois grandes astros, a Roja acabou perdendo brilho. Mas não chegou a correr riscos, já que outro lado estava uma equipe bastante limitada. Acabou vindo o terceiro sem muita demora e a fatura estava liquidada. E de novo com Aránguiz, que recebeu de Henríquez e fez.

Nessa altura, tudo era festa na arquibancada. A torcida até entoou Taj Mahal, clássico de Jorge Ben Jor. E era só esperar o apito final para soltar o caminhão de gritos de Chi Chi Chi Le Le Le. Mas teve tempo para o quarto. Após lindo passe de Valdivia, Medel, outro ídolo local, acertou de cobertura. Golaço. Na reta final, Raudes fez contra e fechou o placar. Que venham as quartas, e a Roja segue como favorita ao título inédito.

FICHA TÉCNICA
CHILE 5×0 BOLÍVIA

Local: Estádio Nacional, em Santiago (CHI)
Data-hora: 19/06/2015, às 20h30 (de Brasília)
Árbitro: Andrés Cunha (URU)
Auxiliares: Mauricio Espinosa (URU) e Carlos Pastorino (URU)
Público: 45601 presentes
Gols: Aránguiz (2’/1°T), Sánchez (37’/1°T), Aránguiz (20’/2°T), Medel (30’/2°T), Raldes (contra, 42’/2°T)

Cartões amarelos: Morales (BOL), Coimbra (BOL), Chumacero (BOL)
Cartões vermelhos: – 

CHILE: Bravo, Isla, Jara (Pizarro) , Medel e Beausejour; Díaz, Aránguiz, Vidal (Matías Fernández, intervalo) e Valdivia; Vargas e Sánchez (Henríquez, intervalo). Técnico: Jorge Sampaoli
BOLÍVIA: Quiñónez, Rodriguez (Bejarano, intervalo), Raldes, Coimbra e Morales; Veizaga (Miranda, intervalo), Chumacero, Dalence e Pablo Escobar (Lizio, 16’/2°T); Pedriel e Marcelo Moreno. Técnico: Maurico Soria

Lancenet