João Pessoa 20/04/2019

Início » Notícias » Ciclone Idai já atingiu mais de 1,7 milhão de pessoas no sudeste africano

Ciclone Idai já atingiu mais de 1,7 milhão de pessoas no sudeste africano

Maior desastre em 20 anos na região São mais de 500 mortes confirmadas

Moçambique foi o país mais afetado pela tempestade. Dezenas de cidades estão ilhadas após o Idai

O ciclone Idai, que devastou parte do sudeste africano, matou ao menos 500 pessoas em Moçambique, Zimbábue e Malawi.

Agências internacionais classificam a tempestade como o maior desastre na região em duas décadas, impactando ao menos 1,7 milhão de pessoas, segundo o Programa Mundial de Alimentos da ONU (Organização das Nações Unidas).

País mais castigado pelo Idia, Moçambique estima que 600 mil habitantes tenham sido afetados. O presidente da ex-colônia portuguesa, Filipe Nyusi, afirmou que o número de óbitos deve ultrapassar 1.000.

Para se ter uma ideia da catástrofe causada no país litorâneo, a cidade de Beira –2ª maior do país, com 500 mil habitantes– teve 90% do território atingido.

As buscas por corpos e desaparecidos são feita por helicópteros e botes, já que boa parte do país foi inundada e as passagens terrestres, obstruídas.

“Nas árvores, as pessoas têm que lutar contra serpentes, insetos e outros animais. Às vezes só é possível salvar duas pessoas de cada 5. Deixamos comida e vamos socorrer outras pessoas que estão em maior perigo”, afirmou Ian Scher, presidente da organização de socorro no país.

Hotéis, colégios e prédios públicos são usados como abrigo para os moçambicanos. No entanto, moradores reclamam que os alimentos são distribuídos apenas para os que se encontram dentro dos abrigos. Pessoas de fora afirmam que não conseguem ter acesso aos mantimentos.

Segundo país mais afetado pelo ciclone, o Zimbábue já registrou mais de 100 mortos. De acordo com o ministro July Moyo, as vítimas devem aumentar, já que há dezenas de desaparecidos.

“Há corpos flutuando, alguns deles chegando até Moçambique”, disse Moyo.

No Malawi, por sua vez, os dados iniciais indicam 150 mortos e 80.000 desabrigados. O número total de desaparecidos nos 3 países é desconhecido, mas pode chegar a centenas de milhares, segundo o G1.