João Pessoa 11/12/2018

Início » Destaque » Cid Gomes propõe Frente de oposição no Senado sem o PT

Cid Gomes propõe Frente de oposição no Senado sem o PT

O senador eleito Cid Gomes (PDT) afirma que vai articular uma oposição “programática” ao governo Jair Bolsonaro (PSL). De olho na influência que pode exercer na no Congresso, Cid elogiou Rodrigo Maia (DEM) e Tasso Jereissati (PSDB) e os apontou como bons quadros para presidir as casas. Sobre o PT, Cid – que apoiou Fernando Haddad no segundo turno da campanha presidencial -, afirmou: “se o PT se afinar com essas ideias, não temos nada contra”.

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo destaca: “eleito para o Senado com mais de três milhões de votos, o ex-governador do Ceará Cid Gomes (PDT) articula a criação de um bloco que, de início, teria 17 dos 81 senadores, mas poderá unir siglas como Rede, PSB, PPS, PHS e PRB. Na Câmara, o PDT faz um movimento parecido com PSB e PCdoB. O objetivo, segundo ele, é criar um bloco de oposição “programática” ao governo Jair Bolsonaro (PSL) que supere o recorte ideológico da centro-esquerda e aglutine setores do centro e da centro-direita”.

Sobre a oposição a Bolsonaro, Cid respondeu ao jornalista Ricardo Galhardo: “a despeito das críticas à equipe que está sendo formada, nossa disposição é a de fazer uma oposição preocupada com a melhoria do País. Então se aquilo que a gente entende como melhor para o País vier como proposta do governo, terá nosso pronto apoio. E naquilo que a gente não concordar vamos procurar discordar construtivamente oferecendo alternativas e não simplesmente a velha tradição da oposição brasileira, quer seja PT ou PSDB, de apostar no quanto pior melhor. Torcemos para o País dar certo e queremos ajudar para que as coisas entrem nos eixos”.

E aprofundou a resposta: “O comportamento vai e vem do Bolsonaro despertará muitas preocupações na esquerda e na direita. Acho que foi o (Fernando) Collor quem disse que o governo dele deixaria a esquerda perplexa e a direita enfurecida. Os primeiros passos do Bolsonaro são muito parecidos com estes na direção da imponderabilidade. O que não quer dizer, repito, que esteja tudo errado. Só que quero dizer que ele tem tido um comportamento fora do eixo tradicional de esquerda e direita”.

Cid elogiou Rodrigo Maia e Tasso Jereissati: “há na Câmara a possibilidade de reeleição do Rodrigo Maia (DEM), o que não acontece no Senado. Então é óbvio que ele é o nome que parte na frente. Ele está neste espectro de centro, de partido que não é nem situação automática, apesar de já ter três quadros escolhidos para o Ministério, nem oposição sistemática. Ele inspira estabilidade, até porque foi essa a postura dele nos dois anos de governo ou desgoverno Temer.

Vou repetir que isso não é um movimento em prol de pessoas, é de um posicionamento, embora seja claro que no final pessoas representarão este posicionamento. O Tasso é um nome excelente, teria o perfil daquilo que se imagina para este lugar, mas certamente não é o único nome.”

Brasil 247.