Cinco pessoas são assinadas no final da Semana Santa na Grande João Pessoa

revolver 00000Cinco pessoas foram assassinadas, sendo quatro delas na noite da Sexta-Feira da Paixão (18) e uma na manhã deste sábado (19) na Região Metropolitana de João Pessoa. Em nenhum dos crimes, a polícia conseguiu localizar os acusados.

De acordo com o Centro Integrado de Operações Policiais, na manhã deste sábado (19), um adolescente de 16 anos foi morto a tiros numa parada de ônibus do Mercado Central, Centro da Capital. Ele havia sido apreendido durante a madrugada, no bairro Jardim Veneza, por porte ilegal de arma, mas como era menor de idade, acabou sendo liberado. Depois da passagem pela polícia, o garoto foi assassinado.

Mais quatro mortes ocorreram na Sexta-Feira da Paixão (18). Outra vítima foi um rapaz de 22 anos. Ele andava de moto pelo bairro São José, na Zona Leste de João Pessoa, quando foi atingido por cinco tiros e teve morte imediata, por volta das 18h.

Um jovem de 23 anos foi assassinado no Centro de Santa Rita, na Grande João Pessoa, por volta das 19h30. Segundo o Ciop, a vítima morava no Bairro das Indústrias, na Zona Sul da Capital, mas recebeu uma ligação e se deslocou até Santa Rita. No local, ele foi abordado por dois homens que efetuaram os disparos. Conforme o Ciop, a dupla teria fugido para um ponto conhecido como ‘Favela do Cadeado’.

No bairro de Nova Mangabeira, na Zona Sul da Capital, um homem de 31 anos foi morto por um objeto cortante. O Ciop informou que o relatório não especificava que tipo de arma havia sido utilizada no crime e que a vítima já havia sido encontrada morta pelas autoridades, perto das 22h.

Novamente em Santa Rita, um adolescente de 17 anos estava em uma festa numa casa quando dois desconhecidos chegaram em uma moto, invadiram a residência e atiraram seis vezes na vítima, por volta das 22h. Ele teve morte imediata e os criminosos fugiram.

De acordo com informações do Ciop, em nenhum dos casos as pessoas que estavam próximas dos crimes ou que poderiam ser utilizadas como testemunhas, prestaram informações sobre os casos.

Portal Correio